Tag: Ciências Humanas

Identidades queer pela ótica da pesquisa científica

As temáticas e abordagens LGBTQI+ estão cada vez mais presentes nas discussões propostas por pesquisas científicas. Teriam as questões identitárias deixando de ser apenas subjetivas, abrindo um campo de interesses acadêmicos? Feminismo lésbico, ativismo trans, não-binarismos, homossexualidades. O que impulsiona os estudos queer? Read More →

Temáticas antirracistas: debates das mulheres negras, indígenas e de todas nós

A Revista Estudos Feministas impulsiona debates diversos que envolvem questões identitárias e luta antirracista. Essa discussão é constantemente atualizada, pelas permanências sociais e pela potencialidade acadêmica mobilizada. Quer saber um pouco mais? Read More →

Revista Estudos Feministas: trajetória da REF e programação para a Semana Especial do Blog SciELO em Perspectiva | Humanas

De 28 de outubro a 1° novembro de 2019, a Revista Estudos Feministas participa da Semana Especial no Blog SciELO em Perspectiva | Humanas, apresentando debates acadêmicos e pesquisas que abordam temas e problemas contemporâneos publicados no periódico. Violência de gênero, racismo, identidades queer são assuntos que estarão em destaque, ao lado de informações sobre a REF, sua trajetória e as perspectivas editoriais. Vamos juntos entrar nessa história? Read More →

Há violência, exclusão e silêncio entre jovens estudantes universitários: como superam o silêncio que lhes é imposto?

Pesquisa investigou estratégias de superação da lógica violência-exclusão-silêncio imposta a jovens universitários. Processos educativos não promovem o desenvolvimento pleno. Os seis casos estudados revelaram a ausência da pedagogia dialógica e que estratégias de superação são potenciais recursos educacionais transformadores, que levam do discurso à prática, da opressão à esperança. Read More →

Apoio matricial em saúde mental: após 10 anos de Núcleo de Apoio à Saúde da Família, quais são os desafios?

Por meio de revisão da literatura nacional, estudo apresenta e discute os entraves que ainda precisam ser superados para o sucesso da proposta de apoio matricial em saúde mental após dez anos de sua implementação nas redes de saúde. Read More →

Por uma sociedade sem manicômios

Trabalho, Educação e Saúde (v. 17, n. 2), traz um editorial sobre a Reforma Psiquiátrica, assinado por Pedro Gabriel Delgado, do Instituto de Psiquiatria da UFRJ. Apresenta pesquisas originais sobre o cuidado médico e a sobremedicalização na atenção primária, a contrarreforma na formação em saúde na escola, um estudo etnográfico sobre crack e a representação social de trabalhadores da atenção básica em saúde que lidam com pessoas LGBT. Read More →

Mães não ganham menos porque têm filhos

À medida que se avança na estrutura salarial, a diferença de remuneração entre os sexos tende a aumentar? Há diferenças salariais entre mulheres e homens com e sem filhos? Evidência sugere que mulheres de classe baixa possuem menor chance de estarem trabalhando quando há crianças pequenas em casa, mas a diferença de salários entre homens e mulheres não está atrelada ao tamanho da prole. Read More →

Biblioteca universitária (des)construindo estratégias para a inclusão de usuários com necessidades especiais

Estudo objetivou diagnosticar práticas inclusivas em bibliotecas universitárias brasileiras e portuguesas, particularmente no que diz respeito ao papel de um campus acessível na inclusão de usuários com necessidades especiais. Por meio de questionários online respondidos pelos diretores, conclui-se que as bibliotecas não possuem infraestrutura acessível para promover a inclusão desses usuários. Read More →

O complexo mapa do comércio sexual na Argentina de início do século XX

Estudo analisa o circuito do comércio sexual na Argentina de início do século XX a partir da figura dos rufiães, ou proxenetas, esse personagem complexo e central, responsável pelo aliciamento de mulheres. A pesquisa ressalta como os proxenetas compunham uma intricada rede social, de caráter transnacional, e que envolvia valores como confiança e solidariedade. Read More →

Funk, cultura do estupro e “violência ostentação”

A análise de músicas de funk com ampla repercussão midiática expôs a exaltação do estupro coletivo, a construção da “vítima perfeita”, e a erotização da infância na construção de vítimas e agressores. Aparte do papel emancipatório do funk, os discursos expuseram relações conflituosas entre os gêneros como norma social. Read More →