Category: Multidisciplinar

Funk, cultura do estupro e “violência ostentação”

A análise de músicas de funk com ampla repercussão midiática expôs a exaltação do estupro coletivo, a construção da “vítima perfeita”, e a erotização da infância na construção de vítimas e agressores. Aparte do papel emancipatório do funk, os discursos expuseram relações conflituosas entre os gêneros como norma social. Read More →

A pedagogia da revolução de Paulo Freire faz 50 anos

Trabalho, Educação e Saúde celebra o cinquentenário do livro “Pedagogia do oprimido”, a principal obra de Paulo Freire e a terceira mais citada em trabalhos na área de humanas, de acordo com pesquisador da London School of Economics. E, em tempos de cogitação da volta do emprego de eletrochoques, discute-se o retrocesso da readoção de hospitais psiquiátricos para tratamento de pacientes com transtorno mental. Read More →

Qual a realidade dos idosos que vivem sozinhos no Brasil?

A Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia apresenta diversos temas sobre a saúde do idoso. Destacamos neste post o artigo sobre pessoas que optaram ou foram levadas a morar sozinhas na velhice. Dentre os resultados, os autores encontraram 15,3% de pessoas vivendo nessa condição no Brasil. Read More →

Afinidades entre a Sociologia da Saúde francesa e a brasileira

Com temas convergentes entre a sociologia da saúde no Brasil e na França, o periódico Saúde e Sociedade apresenta dossiê que aborda temas de saúde nos dois países, destacando modelos de gestão, adoecimentos crônicos, regulação da profissão médica, entre outros. Conclui-se que as realidades francesas possuem evidentes paralelos no Brasil de hoje. Read More →

Como formamos nossos médicos para lidar com cuidados paliativos?

A Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia apresenta, no número 3 de 2018, diversos temas sobre a saúde do idoso. Destaca-se neste post o artigo sobre o ensino de cuidados paliativos. Entre outros resultados, o estudo levantou um conjunto de competências e seus obstáculos para implementá-las na graduação em Medicina, sob a ótica de profissionais de saúde. Read More →

Zika Vírus: uma epidemia e/em seu mundo social

Decorridos quase três anos da epidemia de Zika no Brasil, dossiê publicado na Interface — Comunicação, Saúde, Educação traz à tona estudos sobre o cotidiano das mães de bebês com microcefalia. Como viveram a gestação e o parto e como tem sido o cotidiano com as crianças? Questões como essas nos levam às ideias de maternidade, infância e cuidado operantes nesse universo e assim a uma descrição densa do pós-epidemia. Read More →

Como o ‘ser’ mãe mudou o ‘ser’ usuária de Crack?

Estudo cartográfico realizado em uma capital do nordeste do Brasil, com uma gestante que fazia uso abusivo de drogas, e esteve sob cuidados das Redes Cegonha, de Atenção Psicossocial e as que são criadas em ato pelos trabalhadores, as “Redes Vivas”, permitiu a complementariedade do cuidado e do protagonismo do usuário. Read More →

Sexualidade, gênero e contracepção hormonal: regulação social de corpos femininos em disputa

As controvérsias em torno da contracepção de emergência iluminam a reflexão sobre o exercício da sexualidade feminina, sob uma perspectiva de gênero, que impõe considerar a autonomia sexual e reprodutiva das mulheres. O debate sobre a contracepção hormonal, pós-coito ou de longa duração, precisa respeitar a capacidade de discernimento das mulheres, sejam jovens ou não, pobres ou não. Read More →

O “depois” de uma epidemia: tempo e cuidado entre mães de crianças afetadas pelo Zika vírus na Bahia

Quando, em fevereiro de 2017, a Organização Mundial de Saúde declarou o fim da emergência internacional de saúde pública, as famílias brasileiras afetadas pelo vírus Zika estavam só começando um longo caminho no cuidado de crianças com um conjunto de manifestações neurológicas que hoje se denomina “Síndrome Congênita Associada a Infecção pelo Zika Vírus” (SCAIZV). Com quase 3.000 crianças afetadas no Brasil, são muitos os desafios enfrentados pelas famílias para acompanharem o desenvolvimento de seus filhos. Read More →

Como a arte cinematográfica e o acesso às emoções contribuem na formação de profissionais em saúde?

Estudo mostra a eficiência do uso da arte cinematográfica em atividades de metodologias ativas como um especial disparador de diálogos que integram emoções e racionalidades, propiciando novos caminhos de aprendizagem para o desenvolvimento de competência profissional na área da saúde. Read More →