Tag: Interface – Comunicação, Saúde, Educação

Zika Vírus: uma epidemia e/em seu mundo social

Decorridos quase três anos da epidemia de Zika no Brasil, dossiê publicado na Interface — Comunicação, Saúde, Educação traz à tona estudos sobre o cotidiano das mães de bebês com microcefalia. Como viveram a gestação e o parto e como tem sido o cotidiano com as crianças? Questões como essas nos levam às ideias de maternidade, infância e cuidado operantes nesse universo e assim a uma descrição densa do pós-epidemia. Read More →

Como o ‘ser’ mãe mudou o ‘ser’ usuária de Crack?

Estudo cartográfico realizado em uma capital do nordeste do Brasil, com uma gestante que fazia uso abusivo de drogas, e esteve sob cuidados das Redes Cegonha, de Atenção Psicossocial e as que são criadas em ato pelos trabalhadores, as “Redes Vivas”, permitiu a complementariedade do cuidado e do protagonismo do usuário. Read More →

Sexualidade, gênero e contracepção hormonal: regulação social de corpos femininos em disputa

As controvérsias em torno da contracepção de emergência iluminam a reflexão sobre o exercício da sexualidade feminina, sob uma perspectiva de gênero, que impõe considerar a autonomia sexual e reprodutiva das mulheres. O debate sobre a contracepção hormonal, pós-coito ou de longa duração, precisa respeitar a capacidade de discernimento das mulheres, sejam jovens ou não, pobres ou não. Read More →

O “depois” de uma epidemia: tempo e cuidado entre mães de crianças afetadas pelo Zika vírus na Bahia

Quando, em fevereiro de 2017, a Organização Mundial de Saúde declarou o fim da emergência internacional de saúde pública, as famílias brasileiras afetadas pelo vírus Zika estavam só começando um longo caminho no cuidado de crianças com um conjunto de manifestações neurológicas que hoje se denomina “Síndrome Congênita Associada a Infecção pelo Zika Vírus” (SCAIZV). Com quase 3.000 crianças afetadas no Brasil, são muitos os desafios enfrentados pelas famílias para acompanharem o desenvolvimento de seus filhos. Read More →

Como a arte cinematográfica e o acesso às emoções contribuem na formação de profissionais em saúde?

Estudo mostra a eficiência do uso da arte cinematográfica em atividades de metodologias ativas como um especial disparador de diálogos que integram emoções e racionalidades, propiciando novos caminhos de aprendizagem para o desenvolvimento de competência profissional na área da saúde. Read More →

O SUS avança na humanização do parto? Uma análise a partir da experiência de mulheres

Estudo qualitativo realizado com mulheres grávidas atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Brasília, DF, apresenta narrativas do parto humanizado em hospitais e um centro de parto normal. Comparamos as experiências de parto, tomando em conta cumplimento de direitos, satisfação de serviços e como a humanização impacta a experiência do parto. Read More →

Como as maratonas hackers podem ser aplicadas no campo da Saúde?

O estudo mapeou a realização de maratonas hackers no Brasil, com desafios voltados para o campo da Saúde, no período entre 2000 e 2016. Os resultados ressaltam o potencial da metodologia no fomento à criatividade e à inovação, a partir do trabalho colaborativo em equipe multiprofissional no campo da Saúde. Read More →

As controvérsias da publicidade de alimentos e bebidas no Brasil: o modelo de regulamentação atual é eficaz?

Há vários estudos quanto à influência das propagandas de alimentos e bebidas nos hábitos alimentares e na saúde da população, especialmente entre crianças. No Brasil, a regulação de peças publicitárias é alvo de discussão no campo da saúde pública há bastante tempo, tendo em vista os limites da autorregulação. Assim, o estudo buscou sintetizar evidências científicas do papel do governo, indústrias e organizações do setor privado na atuação em regulação de propagandas de alimentos e bebidas por meio de uma revisão de literatura. Read More →

A coragem das Mães Waldorf para parir

Como parem as Mães Waldorf da Demétria? Em 2013, por seis meses, realizamos uma etnografia sobre a gestação e o parto na Antroposofia, no bairro rural da Demétria, em Botucatu, São Paulo. Atualmente, há um campo de pesquisa articulado entre as Ciências Sociais e a área da saúde para estudar as novas formas de parir na contemporaneidade. As pesquisas brasileiras apontam para diferentes contornos sobre o parto. Read More →

Até quando iremos negligenciar a Saúde nos Estudos de Impacto Ambiental? Uma análise sobre a relevância da Avaliações de Impacto à Saúde (AIS).

A análise de impactos à saúde é realizada de forma superficial em licenciamentos ambientais e na adoção de algumas políticas públicas. Nesse sentido, a adoção de uma ferramenta padronizada de Avaliação de Impacto à Saúde (AIS) evitaria a geração de inequidades em saúde e reduziria os custos associados nesse setor. Read More →