A abordagem qualitativa cabe na formação e na pesquisa médica?

Por Maria Cecília de Souza Minayo, Editora-chefe e Luiza Gualhano, Assistente de comunicação, Rio de Janeiro, RJ, Brasil

A medicina é uma área de conhecimento eminentemente voltada para a prática. Mas desde as reformas fundamentadas no modelo flexneriano, seu exercício vem sendo marcado pelo positivismo sociológico e pelo biologicismo cada vez mais especializado. Esse viés teórico apresenta uma lacuna imperdoável em relação ao social, pois vida e morte, saúde, doença e tratamento são processos biológicos entranhados e atravessados pela história e pela cultura, o que se manifesta em valores, crenças, representações, relações, atitudes, comportamentos e práticas. É claro que os médicos sabem disso porque o vivenciam nas relações com seus pacientes nos consultórios, hospitais e clínicas. Por isso, intuitivamente têm certeza de que esses conceitos regem o cotidiano de todos inclusive o deles. Contudo, racionalmente, não aceitam que eles possam se tornar objeto científico de estudo.

No entanto, as abordagens qualitativas se fundamentam em princípios filosóficos que — considerando apenas a ciência moderna — vêm sendo desenvolvidos há mais de dois séculos, e aplicados nas ciências humanas e sociais por meio de estudos socioantropológicos compreensivos, hermenêuticos e fenomenológicos desde o final do século XIX. Daí que não deveria haver desculpas para que tais perspectivas fossem desconhecidas dos médicos cuja profissão requer humanismo e cuja prática é genuinamente intersubjetiva.

Nesse sentido, consideram-se alvissareiros dois fenômenos atuais: o primeiro é o fato de algumas Revistas Biomédicas de ponta como Lancet e outras terem começado a publicar artigos qualitativos de forma cada vez mais frequente. O segundo é a criação de novas escolas de medicina voltadas para a atenção primária em que a relação com a população se torna cada vez mais próxima, exigindo habilidades relacionais e capacidade intersubjetiva.

No volume 22, número 1 de 2017, Ciência & Saúde Coletiva contribui com o debate das questões acima levantadas e apresenta resultados de estudos genuinamente qualitativos produzidos por médicos ou por equipes de pesquisa das quais eles fazem parte. Entende-se que a participação desses profissionais em trabalhos de natureza compreensiva contribui para a redução da distância que existe entre saúde coletiva e prática clínica e para melhorar a relação médico-paciente.

Para ler os artigos, acesse

Ciência & Saúde Coletiva, vol.22 no.1, Rio de Janeiro, Jan. 2017 – <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_issuetoc&pid=1413-812320170001&lng=pt&nrm=iso>

Link externo

Ciência & Saúde Coletiva: <http://www.scielo.br/csc>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

MINAYO, M.C.S. and GUALHANO, L. A abordagem qualitativa cabe na formação e na pesquisa médica? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2017 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2017/02/10/a-abordagem-qualitativa-cabe-na-formacao-e-na-pesquisa-medica/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation