Qual o impacto do trabalho na inclusão social de pessoas com esquizofrenia?

Por Júlio César Lopardo Alves, Membro da equipe editorial da Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, SP, Brasil

Quais são os aspectos positivos e negativos do trabalho relatados por indivíduos com esquizofrenia? O artigo “Experiência laboral e inclusão social de indivíduos com esquizofrenia” publicado na Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (RBSO) discute o impacto do trabalho sobre a vida social e o tratamento de pessoas com esquizofrenia. Foram entrevistados 11 usuários de um ambulatório de especialidades da capital paulista, todos atendidos por um programa de inclusão laboral para indivíduos com esquizofrenia. O estudo destaca a importância de construir estratégias eficazes para a inclusão social de pessoas com esquizofrenia, considerando sempre as especificidades da doença e dos postos de trabalho.

Foram coletados dados sociodemográficos e ocupacionais dos entrevistados, que tinham entre 23 e 45 anos, boa adesão ao tratamento e pelo menos 2 meses de estabilidade do quadro psiquiátrico. As entrevistas duraram em média 20 minutos, foram realizadas em espaço reservado e partiram de uma pergunta narrativa geradora (MINAYO, 2012). Após o esclarecimento sobre o objetivo do estudo, os entrevistadores faziam a seguinte pergunta aos entrevistados: “o que você percebe como aspectos positivos e negativos na sua experiência com o trabalho?” Durante as entrevistas foram elaboradas perguntas complementares que permitissem o exame da dimensão experiencial dos participantes. As entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas exaustivamente. As informações foram trabalhadas por meio de técnicas de análise que possibilitassem a descrição objetiva dos conteúdos (MINAYO, 2012).

As experiências profissionais dos entrevistados foram representadas por 4 categorias que os autores discutem: 1) sobrecarga e falta de informação/orientação no trabalho; 2) a importância da remuneração; 3) assumindo responsabilidades, esperança e superação; 4) a vivência da doença, o cuidado com a saúde e o trabalho.

Participaram do estudo 10 homens e 1 mulher, com diferentes níveis de escolaridade: ensino fundamental (3), nível médio (5) e ensino superior (3). Todos haviam sido diagnosticados com esquizofrenia, o tempo médio de diagnóstico era 12 anos. Os participantes possuíam experiências profissionais em postos de trabalho formais e informais que, em geral, se caracterizavam pela baixa exigência de escolaridade. Quando o estudo foi realizado, apenas 4 estavam trabalhando: 3 com as próprias famílias, 1 como ajudante em igreja.

O trabalho é central na construção e fortalecimento da subjetividade (DEJOURS; BARROS; LANCMAN, 2016), e não é contraindicado para indivíduos com esquizofrenia (MARTINI, et al., 2018). Estratégias eficazes de inclusão laboral de pessoas com esquizofrenia precisam envolver empresas, familiares, serviços e profissionais da saúde mental. Os interesses e as capacidades dos indivíduos com esquizofrenia devem ser considerados. Os fatores estressantes relacionados aos postos de trabalho devem ser monitorados.

Referências

DEJOURS, C., BARROS, J. and LANCMAN, S. A centralidade do trabalho para a construção da saúde. Revista De Terapia Ocupacional Da Universidade De São Paulo [online]. 2016, vol. 27, no. 2, pp. 228-235, ISSN: 2238-6149 [viewed 5 November 2019]. DOI: 10.11606/issn.2238-6149.v27i2p228-235. Available from: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/119227/116632

MARTINI, L.C., et al. Schizophrenia and work: aspects related to job acquisition in a follow-up study. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2018, vol. 40, no. 1, pp. 35-40, ISSN: 1516-4446 [viewed 5 November 2019]. DOI: 10.1590/1516-4446-2016-2128. Available from: http://ref.scielo.org/cprmw5

MINAYO, M.C.S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2012, vol. 17, no. 3, pp. 621-626, ISSN: 1413-8123 [viewed 5 November 2019]. DOI: 10.1590/S1413-81232012000300007. Available from: http://ref.scielo.org/nd74b8

Para ler o artigo, acesse

MARTINI, L.C., et al. Experiência laboral e inclusão social de indivíduos com esquizofrenia. Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2019, vol. 44, e11, ISSN: 0303-7657 [viewed 5 November 2019]. DOI: 10.1590/2317-6369000022418. Available from: http://ref.scielo.org/zgtny6

Link externo

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional – RBSO: <http://www.scielo.br/rbso>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ALVES, J.C.L. Qual o impacto do trabalho na inclusão social de pessoas com esquizofrenia? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2019 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2019/11/05/qual-o-impacto-do-trabalho-na-inclusao-social-de-pessoas-com-esquizofrenia/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation