O que fará o idoso com epilepsia permanecer mais tempo no hospital?

Fernando Spina Tensini, M.D., Ph.D. Universidade Federal do Paraná, CHC, Curitiba PR, Brasil.

Dr. Aroldo Bacellar e colaboradores conduziram este estudo prospectivo no Hospital San Rafael, de Salvador, Bahia, intitulado “Predictors of long length of hospital stay among elders admitted with seizures in a tertiary centre: a prospective study”, e que teve como objetivo responder quais são os fatores preditores de maior tempo de permanência hospitalar em pacientes idosos que tenham sido admitidos por crises epilépticas ou que as tenham desenvolvido durante a hospitalização.

De 2015 a 2019, foram incluídos no estudo 159 idosos admitidos na emergência do Hospital San Rafael e que tenham sido acompanhados na evolução pela equipe de neurologia. Foram avaliados diversos parâmetros como a presença de outras doenças neurológicas, comorbidades clínicas, dados demográficos e, especialmente, características relativas às crises epilépticas e ao diagnóstico de epilepsia, seguindo os critérios da ILAE (International League Against Epilepsy) (SCHEFFER, I. E. et al.). De posse destes dados, através de uma análise multivariada, foi possível estabelecer cinco preditores importantes de maior duração da internação hospitalar: internação em UTI, infecção urinária, presença de distúrbios do movimento, recorrência precoce da epilepsia e sepse.

Imagem: Robin Canfield.

Os fatores “Internação em UTI”, “Sepse” e “Infecção urinária” apontam para a importância do adequado manejo clínico, uso adequado de sondas vesicais e a constante vigilância para sepse que deve ser mantida caso queiramos diminuir de forma eficaz o tempo de permanência hospitalar nesses pacientes. Já os itens “Recorrência de crise” e “Distúrbios do Movimento” mostram como é necessário a presença de um neurologista capacitado tanto para o diagnóstico preciso, como para o adequado tratamento da crise e a manutenção de terapias complexas já em uso, como no caso dos pacientes com doença de Parkinson.

Estudos futuros, em outros centros do Brasil e do mundo, e com populações mais homogêneas serão necessários para corroborar estes dados para a população geral.

Referências

SCHEFFER, I. E. et al. ILAE classification of the epilepsies: Position paper of the ILAE Commission for Classification and Terminology. Epilepsia [online]. 2017, vol. 58, no. 04 [viewed 26 January 2021]. https://doi.org/10.1111/epi.13709. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/epi.13709

Para ler o artigo, acesse

BACELLAR, A. et al. Predictors of long length of hospital stay among elders admitted with seizures in a tertiary centre: a prospective study. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2020, vol.78, n.11 [viewed 26 January 2021]. https://doi.org/10.1590/0004-282×20200062. Available from: http://ref.scielo.org/yd5hrd

Link Externo

Arquivos de Neuro-Psiquiatria – ANP: https://www.scielo.br/anp

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

TENSINI, F. S. O que fará o idoso com epilepsia permanecer mais tempo no hospital? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2021 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2021/03/15/o-que-fara-o-idoso-com-epilepsia-permanecer-mais-tempo-no-hospital/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation