Medicina do futuro: Biomaterial a partir do cordão umbilical

Luize Kremer Gamba, Mestranda da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Escola de Medicina, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), Curitiba, PR, Brasil

Rossana Baggio Simeoni, Professora Visitante da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Escola de Medicina, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), Curitiba, PR, Brasil

Julio Cesar Francisco, Professor colaborador da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Escola de Medicina, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde (PPGCS), Curitiba, PR, Brasil.

Logomarca do periódico: Brazilian Archives of Biology and TechnologyBaseado em trabalhos teóricos e experimentais sobre biomateriais naturais, o artigo Decellularized Wharton’s Jelly: Biomaterial Potential for Regenerative Medicine Applications – A Mini-Review abordando Geléia de Wharton descelularizada demonstra o grande potencial deste biomaterial para aplicações em medicina regenerativa e expõe a sua capacidade como alternativa estratégica para a engenharia de tecidos, tornando-a cada vez mais popular.

A pesquisa é resultado de um estudo elaborado para a dissertação de mestrado que será defendida em 2023 no Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PPGCS/PUCPR, redigida pela Mestranda Luize Kremer Gamba, sob coorientação da Profa. Dra. Rossana Baggio Simeoni e orientação do Prof. Dr. Luiz Cesar Guarita Souza.

O trabalho sedestaca-se por apresentar o biomaterial natural (cordão umbilical) sem células a partir de uma técnica que utiliza métodos químicos, enzimáticos ou meios físicos para extrair elementos celulares de tecidos naturais para adquirir uma matriz extracelular acelular (MEC) como potencial estratégia inovadora para aplicação em diversas doenças como:  doenças degenerativas do disco vertebral e osteoartrites.

A matriz extracelular (MEC) é uma estrutura tridimensional altamente complexa e dinâmica presente em todos os tecidos e órgãos. Ela fornece informações bioquímicas e biomecânicas vitais necessárias para o crescimento, diferenciação e homeostase (equilíbrio) do tecido. Também desempenha um papel crucial na integridade estrutural e funcional de órgãos e tecidos, atuando como suporte para a fixação celular.

Foto de uma placenta com cordão umbilical sobre um recipiente metálico. Uma tesoura está disposta sobre a placenta cortando o cordão.

Imagem: Shutterstock.

Assim, a pesquisa mostra que a estrutura tridimensional (3D) de MEC pode ser utilizada como suporte biológico (scaffold), à medida que também destaca de maneira crítica sua utilização em pesquisas clínicas e experimentais, sendo esta sua contribuição para o emprego na engenharia de tecidos e na medicina regenerativa.

A Variabilidade em modelos experimentais utilizando scaffolds podem contribuir para o fracasso final na prática clínica. Contudo, resultados de um ensaio clínico de fase I em 40 pacientes com lesões cervicais completas agudas utilizando scaffolds de colágeno descreveram que não houve nenhuma complicação grave relatada durante os 12 meses de acompanhamento.

É importante salientar que, devido ao importante papel da MEC na estrutura e função de tecidos e órgãos, muitos pesquisadores acreditam que a bioimpressão da MEC descelularizada é uma estratégia promissora e uma escolha potencial para o arcabouço regenerativo e a fabricação de tecidos. As biotintas à base de matriz extracelular descelularizada podem oferecer um microambiente otimizado para o crescimento de tecidos estruturados em 3D, pois fornecem pistas biológicas e mecânicas específicas da MEC original e as proporções corretas de proteínas da MEC, imitando o microambiente complexo encontrado no tecido nativo pelas células. A impressão 3D possui capacidades osteogênicas exelentes para restauração de defeitos ósseos críticos

Para ler o artigo, acesse

GAMBA, L.K., et al. Decellularized Wharton’s Jelly: Biomaterial Potential for Regenerative Medicine Applications – A Mini-Review. Braz. Arch. Biol. Technol [online]. 2023, vol. 66, e23220292 [viewed 20 December 2022]. https://doi.org/10.1590/1678-4324-2023220292. Available from: https://www.scielo.br/j/babt/a/JxBBV6xxLw3hsfvZZL8kGcF/

Referências

DAVIES, J.E., WALKER, J.T. and KEATING, A. Concise Review: Wharton’s Jelly: The Rich, but Enigmatic, Source of Mesenchymal Stromal Cells. Stem Cells Transl Med [online]. 2017, vol. 6, no. 7, pp. 1620-1630 [viewed 20 December 2022]. https://doi.org/10.1002/sctm.16-0492. Available from: https://academic.oup.com/stcltm/article/6/7/1620/6454780/

FORTIER, L.A., et al. The role of growth factors in cartilage repair. Clin Orthop Relat Res [online]. 2011,  vol. 469, no. 10, pp. 2706-2715 [viewed 20 December 2022]. https://doi.org/10.1007/s11999-011-1857-3. Available from: https://journals.lww.com/clinorthop/Fulltext/2011/10000/The_Role_of_Growth_Factors_in_Cartilage_Repair.5.aspx

MOHAMMADIE, Z.M., et al. Decellularized Bovine Articular Cartilage Matrix Reinforced by Carboxylated-SWCNT for Tissue Engineering Application. Braz Arch Biol Technol [online]. 2018, vol. 60, e17160083 [viewed 20 December 2022]. https://doi.org/10.1590/1678-4324-2017160083. Available from: https://www.scielo.br/j/babt/a/dCgwSNMqsKQksHMXTRspRpw/

Links externos

Brazilian Archives of Biology and Technology – BABT: https://www.scielo.br/babt/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

GAMBA, L.K., SIMEONI, R.B. and FRANCISCO, J.C. Medicina do futuro: Biomaterial a partir do cordão umbilical [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/12/20/medicina-do-futuro-biomaterial-a-partir-do-cordao-umbilical/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation