Aumento da temperatura do ar favorece a disseminação da mosca-das-frutas

Por Simone Bacilieri, Editora de Mídias Sociais do periódico Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, SP, Brasil

Diversas espécies de mosca-das-frutas são reconhecidas como pragas quarentenárias. Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) as pragas quarentenárias são classificadas em dois tipos: praga quarentenária ausente, de importância econômica potencial para uma determinada área de perigo e que não está presente no território nacional, e a praga quarentenária presente, também de importância econômica potencial para uma área em perigo, mas que já se encontra no país, porém, não amplamente distribuída e sob o controle oficial. A. grandis é uma das principais pragas com restrições de quarentena, cujo principal hospedeiro são os frutos de Cucurbitaceae, família que inclui a abóbora, o melão, a melancia e o pepino. Presente nas Américas do Sul e Central (Panamá), o inseto já foi registrado nas regiões sul, sudeste e centro-oeste do Brasil (BOLZAN et al., 2016, 2017).

A pesquisa “Impact of global warming on the distribution of Anastrepha grandis (Diptera: Tephritidae) in Brazil”, publicada nos Arquivos do Instituto Biológico (vol. 87), apresentou o impacto do aumento da temperatura no número de gerações de A. grandis, cuja distribuição poderá ser agravada devido ao aumento da temperatura e, consequentemente, acentuar as perdas para a produção agrícola. O estudo foi conduzido por cientistas da Universidade Federal de Pelotas e da Embrapa, unidades Floresta e Clima Temperado, e obteve financiamento parcial da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Nesse estudo, os autores analisaram as variações climatológicas para cenários de referência obtidos no período base, que considera os dados climáticos coletados entre 1961‒1990 e nos cenários de mudanças climáticas A2 e B1, referentes ao 4º relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (AR4/IPCC), encontrando duas possibilidades: menos pessimista (B1) e mais pessimista (A2).

Figura 1. Mapas climáticos do Brasil, período de referência 1961-1990, onde (A) outono, (B) inverno, (C) primavera e (D) verão.

Para calcular o número de gerações ocorridas em um ano para todas as regiões do Brasil, os autores utilizaram os dados climáticos organizados por Hamada et al. (2008). Este número foi determinado pela soma térmica total existente em cada local, dividindo-a pela constante térmica necessária para a conclusão do ciclo de vida do inseto. Já os mapas do número de gerações de insetos no período base e projeções de cenários futuros foram criados por regressão linear múltipla, onde o número variável de gerações foi correlacionado com a altitude, latitude e longitude de cada local, usando o Modelo Numérico do Terreno do GTOPO30 (modelo de elevação digital) (US GEOLOGICAL SURVEY, 1999).

Com base na análise das necessidades de A. grandis em relação aos fatores ambientais (temperatura e umidade relativa), os pesquisadores concluíram que as condições climáticas futuras são favoráveis ao desenvolvimento dessa praga, com um aumento de uma geração por ano nas regiões mais quentes e mais frias do País.

Referências

BOLZAN, A., et al. Anastrepha grandis: bioecologia e manejo. Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2016.

BOLZAN, A., et al. Development of Anastrepha grandis (Diptera: Tephritidae) under constant temperatures and field validation of a laboratory model for temperature requirements. Crop Protection. [online]. 2017, vol. 100, pp. 38-44, ISSN: 0261-2194 [viewed 15 June 2020]. DOI: 10.1016/j.cropro.2017.06.001. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S02612194173 01539?via%3Dihub

HAMADA, E., et al. Cenários climáticos futuros para o Brasil. In: GHINI, R. and HAMADA, E. (org.). Mudanças climáticas: impactos sobre doenças de plantas no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2008.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. Quarentena [online]. 2017 [viewed 15 June 2020]. Available from: http://antigo.agricultura.gov.br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/sanidade-vegetal/quarentena

U.S. GEOLOGICAL SURVEY. Survey National Mapping Division: Global 30 Arc Second Elevation Data. 1999 [viewed 15 June 2020]. Available from: https://www.usgs.gov/centers/eros/science/usgs-eros-archive-digital-elevation-global-30-arc-second-elevation-gtopo30

Para ler o artigo, acesse

LISBOA, H. et al. Impact of global warming on the distribution of Anastrepha grandis (Diptera: Tephritidae) in Brazil. Arq. Inst. Biol. [online]. 2020, vol. 87, e0882018, ISSN: 1808-1657 [viewed 15 June 2020]. DOI: 10.1590/1808-1657000882018. Available from: http://ref.scielo.org/xgp4h8

Links externos

Arquivos do Instituto Biológico – AIB <http://www.scielo.br/aib>

Facebook – Arquivos do Instituto Biológico <https://www.facebook.com/ArquivosIB/>

Twitter – Arquivos do Instituto Biológico <https://twitter.com/ArquivosIB>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

BACILIERI, S. Aumento da temperatura do ar favorece a disseminação da mosca-das-frutas [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2020 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2020/06/15/aumento-da-temperatura-do-ar-favorece-a-disseminacao-da-mosca-das-frutas/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation