Risco ocupacional: contaminação por COVID-19 em profissionais de saúde é mais frequente nas enfermarias do que UTIs

Por Geisa Sant’Ana, Doutoranda em Ciências da saúde, docente da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS), Águas Claras, Brasília, DF, Brasil

Pesquisadores da área de saúde, vinculados a instituições de ensino e pesquisa, analisaram estudos realizados em vários países e publicaram no periódico Acta Paulista de Enfermagem (vol. 33), o artigo “Infecção e óbitos de profissionais da saúde por COVID-19: revisão sistemática”, com o objetivo de avaliar as razões de infecção e morte dos profissionais de saúde que atendem pacientes da COVID-19, além de possíveis soluções para reduzir a disseminação do vírus em ambiente hospitalar.

A coleta dos artigos foi realizada nas bases de dados Scopus, Portal Regional da BVS, PubMed e Embase considerando as publicações até 14 de abril de 2020. Para o corpus deste estudo foram selecionados 28 artigos que detectaram que há maior índice de contágio de profissionais de saúde nas Enfermarias Gerais (77%) do que nas UTIs (5%), onde o risco é reconhecidamente maior em razão de procedimentos invasivos e de nebulização, que liberam no ar aerossóis transmissores do vírus da COVID-19. Dentre as razões para contaminação das equipes, encontradas no cruzamento de análises estatísticas, estão o fornecimento insuficiente de equipamentos de proteção individual (EPI) aos profissionais de saúde, pouco ou inadequado treinamento quanto ao uso destes e o excesso de trabalho. A sobrecarga de sistemas de saúde se mostrou ligada a estes fatores por não suprir os hospitais com EPIs e aumento de pessoal.

Outro fator relevante, foi a higiene inadequada das mãos, o contato com pacientes e/ou colegas de trabalho contaminados, além da sobrecarga de trabalho que leva a maior permanência em ambiente com carga viral mais elevada, realização de procedimentos com risco de geração de aerossol, diagnóstico de COVID-19 tardio e renovação de ar insuficiente em salas de isolamento, também chamadas de ambiente de pressão negativa, são outros motivos frequentes de contágio. A metodologia utilizada foi a de revisão sistemática, que responde a uma pergunta clara, define estratégia de busca e critérios de inclusão e exclusão de artigos, além de comparar as análises estatísticas de todos. O objetivo é sintetizar as evidências sobre um mesmo assunto já publicadas, de forma a auxiliar nas ações cotidianas de profissionais da área de saúde.

A pesquisa Infecção e Morte do Profissional de Saúde pela COVID-19 foi feita sob o contexto da epidemia de doença respiratória aguda iniciada em dezembro de 2019, em Wuhan, na China e que a OMS – Organização Mundial da Saúde declarou como pandemia em 11 de março de 2020, após a contaminação se espalhar rapidamente pelos continentes Europeu e Americano. As conclusões da pesquisa são sobre o período inicial da pandemia, quando o novo coronavírus foi identificado e incluiu artigos na China, Estados Unidos, Itália, Austrália, Reino Unido, Singapura, Suécia e Tailândia. De acordo com cada país, o número de profissionais infectados variou de 1.716 a 17.306. Quanto aos óbitos, existem dados de até 605 profissionais falecidos no mundo inteiro. As evidências encontradas são editoriais, estudos transversais e de coorte.

Referências

FERIOLI, M., et al. Protecting healthcare workers from SARS-CoV-2 infection: practical indications. European Respiratory Review [online]. 2020, vol. 29, no. 157, 190142, ISSN: 1600-0617 [viewed 09 October 2020]. DOI: 10.1183/16000617.0068-2020. Available from: https://err.ersjournals.com/content/29/155/200068

YE, G., et al. Environmental contamination of SARS-CoV-2 in healthcare premises. Journal of Infection [online]. 2020, vol. 81, no. 2, pp. e1-e5, ISSN: 0163-4453 [viewed 09 October 2020]. DOI: 10.1016/j.jinf.2020.04.034. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0163445320302607

WANG, J., ZHOU, M. and LIU, F. Reasons for healthcare workers becoming infected with novel coronavirus disease 2019 (COVID-19) in China. J Hosp infect [online]. 2020, vol. 105, no. 1, pp. 100-101, ISSN: 0195-6701 [viewed 09 October 2020]. DOI: 10.1016/j.jhin.2020.03.002. Available from: https://www.journalofhospitalinfection.com/article/S0195-6701(20)30101-8/fulltext

Para ler o artigo, acesse

SANT’ANA, G., et al. Infecção e óbitos de profissionais da saúde por COVID-19: revisão sistemática. Acta paul. enferm. [online]. 2020, vol. 33, eAPE20200107, ISSN: 1982-0194 [viewed 09 October 2020]. DOI: 10.37689/acta-ape/2020ao0107. Available from: http://ref.scielo.org/gykyht

Link externo

Acta Paulista de Enfermagem – APE: <http://www.scielo.br/ape>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

SANT’ANA, G. Risco ocupacional: contaminação por COVID-19 em profissionais de saúde é mais frequente nas enfermarias do que UTIs [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2020 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2020/10/09/risco-ocupacional-contaminacao-por-covid-19-em-profissionais-de-saude-e-mais-frequente-nas-enfermarias-do-que-utis/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation