Autismo e sexualidade na adolescência

Maria Cecília de Souza Minayo, Editora-chefe da Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Luiza Gualhano, Editora assistente da Revista Ciência & Saúde, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Logo do periódico Ciência & Saúde ColetivaO artigo “Eu não sou um anjo azul”: a sexualidade na perspectiva de adolescentes autistas, de Brilhante et al. (2021) tem por base uma pesquisa com 14 autistas oralizados, entre 15 e 17 anos: oito meninos, cinco meninas e um jovem que se classificou como de gênero neutro. O tema foram as vivências de sua sexualidade e é fruto de uma pesquisa qualitativa realizada no Ceará. Todos estavam matriculados em escolas regulares. As entrevistas foram realizadas por uma das pesquisadoras que, além de mãe de uma criança autista, possui traços que a caracterizam como parte do Fenótipo Ampliado do Autismo (FAA) (Endres, 2015). Essa particularidade foi um facilitador na realização das entrevistas.

Em oposição à abordagem de Kanner (1943), o avanço das neurociências tem levado à emergência de múltiplos modelos de interpretação do autismo e, consequentemente, em diversas abordagens terapêuticas. Uma corrente chamada neurodiversidade reconhece o autismo como uma deficiência o considera uma condição neurodiversa. A neurodiversidade tem como pressuposto que todas as formas de diversidade neurológica devem ser respeitadas e as terapêuticas devem buscar não uma cura, mas o fortalecimento das habilidades, o suporte socioemocional e o respeito às demandas individuais. Uma das reivindicações permanentes é o direito da pessoa autista sobre seu corpo e sua sexualidade, refutando a crença de que autistas seriam pessoas assexuadas ou eternas crianças (Houting, 2019). Apesar disso, mesmo com bases teóricas diferentes, a maioria das terapias comportamentais e psicofarmacológicas buscam a cura ou o controle das características autistas, incluindo os chamados “comportamentos sexuais inapropriados”. Foi apenas em 2013 que o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, em sua quinta edição, o DSM-5, definiu o conceito do Transtorno do Espectro Autista (TEA) (American Psychiatric Association, 2014). Segundo esse manual, uma pessoa diagnosticada com autismo apresenta dois sintomas: deficiências sociais e de comunicação e comportamentos repetitivos e estereotipados.

Imagem: PNGWING

O estudo de Brilhante et al. (2021) mostra que embora as pessoas autistas entrevistadas cresçam física e sexualmente de acordo com os estágios típicos de desenvolvimento, existem singularidades nesse grupo que não devem ser ignoradas. As experiências e expressões da sexualidade de pessoas autistas são diversas (SALA et al., 2020) e demandam uma estrutura de apoio adaptável e que considere necessidades, desejos, dificuldades e comprometimentos. O estudo observou também que quase sempre essas singularidades são desconsideradas, e a sexualidade é frequentemente silenciada (Holmes et al., 2020) tanto pelas famílias como pelas escolas. A literatura atribui essa atitude tanto à baixa expectativa, quanto à possibilidade de seu desenvolvimento social e ao receio de estimular um desejo sexual que não evoluiria espontaneamente (Holmes et al, 2016).

Diferentemente da visão mais comum por parte da escola e da família, nas entrevistas os jovens se manifestaram quanto aos toques, aos desejos de namorar e de exercer sua sexualidade, como meninos e meninas de sua idade. Apenas um deles comentou que não tem vontade de se relacionar e de ser tocado. Suas queixas em relação aos pais e professores são sobre a supervigilância, pois se consideram tratados como crianças protegidas e mimadas. Daí a expressão “anjo azul” que simboliza, de forma suave, a patologização do autismo. Vários deles se referiram ao termo, dizendo que não querem ser chamados e tratados como crianças inocentes, pois não se reconhecem assim.

Este artigo, fruto de uma pesquisa qualitativa, certamente ajudará pais e educadores a olharem com menos preconceito e mais respeito para crianças e jovens que, como quaisquer outros de sua idade, querem viver, amar e ser amados!

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM-5. São Paulo: Artmed, 2014.

ENDRES, R. G. et al. O Fenótipo ampliado do autismo em genitores de crianças com transtorno do espectro autista (TEA). Psicologia Teoria e Pesquisa [online]. 2015, vol. 31, no. 03, pp. 285 – 292 [viewed 22 February 2021]. https://doi.org/10.1590/0102-37722015032268285292. Available from: http://ref.scielo.org/vykbcq

HOLMES, L. G. et al. Parental romantic expectations and parent–child sexuality communication in autism spectrum disorders. Autism [online]. 2016, vol. 20, no. 06, pp. 687 – 699 [viewed 22 February 2021]. https://doi.org/10.1177/1362361315602371. Available from: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1362361315602371

HOLMES, L. G. et al. Family sexuality communication: Parent report for autistic young adults versus a comparison group. Journal of Autism and Developmental Disorders [online]. 2020, vol. 50, no. 08, pp. 3018 – 3031 [viewed 22 February 2021]. https://doi.org/10.1007/s10803-020-04398-3. Available from: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs10803-020-04398-3

KANNER, L. Autistic disturbances of affective contact. Nervous Children [online]. 1943, pp. 217 – 250 [viewed 22 February 2021]. Available from: https://neurodiversity.com/library_kanner_1943.pdf

SALA, G. et al. As diverse as the spectrum itself: Trends in Sexuality, Gender and Autism. Curr. Dev. Disord. Rep. [online]. 2020, vol. 07, pp. 59 – 68 [viewed 22 February 2021]. https://doi.org/10.1007/s40474-020-00190-1. Available from: https://link.springer.com/article/10.1007/s40474-020-00190-1

Para ler o artigo, acesse

BRILHANTE, A. V. M. et al. Eu não sou um anjo azul”: A sexualidade na perspectiva de adolescentes autistas. Ciênc. Saúde Coletiva [online]. 2021, vol. 26, no. 02, pp. 417 – 423 [viewed 22 February 2021]. https://doi.org/10.1590/1413-81232021262.40792020. Available from: http://ref.scielo.org/35wq6m

Link Externo

Ciência & Saúde Coletiva: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br

Ciência & Saúde Coletiva – CSC: http://www.scielo.br/csc

Facebook: https://www.facebook.com/revistacienciaesaudecoletiva/

Instagram: @revistacienciaesaudecoletiva

Para ler a edição temática completa acesse: http://ref.scielo.org/2rzvny

Twitter: https://twitter.com/revistacsc

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

MINAYO, M. C. S. and GUALHANO, L. Autismo e sexualidade na adolescência [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2021 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2021/03/03/autismo-e-sexualidade-na-adolescencia/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation