Meritocracia em plantas é comprovada em ambientes aquáticos

Ronaldo Angelini, Editor Associado da Acta Limnologica Brasiliensia, Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Logomarca do periódico: Acta Limnologica BrasiliensiaEstudo com plantas aquáticas mostra que a competição prejudica o estabelecimento de uma delas no ambiente.

O estudo Efeito da densidade de Polygonum ferrugineum Weed. (Polygonaceae) e da concentração de nutrientes no sedimento sobre estabelecimento de Alternanthera philoxeroides (Mart.) Griseb. (Amaranthaceae), realizado por autores da Univ. Estadual de Maringá (UEM-PR) e do Instituto de Botânica de São Paulo (IBOT) e publicado na Acta Limnologica Brasiliensia vol. 34, mostrou que algumas espécies de macrófitas aquáticas podem prejudicar o estabelecimento e o crescimento de outras. Neste experimento, os pesquisadores plantaram as duas espécies escolhidas (erva-de-bicho e erva-de-jacaré) em bandejas com diferentes densidades e quantidades de nutrientes e as mantiveram em casa de vegetação por 60 dias.

Imagem: Pixabay

Figura 1. Flor de erva-de-jacaré (Alternanthera sp.)

A motivação para tal pesquisa foi tentar entender diferentes mecanismos que podem influenciar o desenvolvimento dessas espécies, uma vez que elas podem se tornar um problema em reservatórios e ambientes aquáticos continentais, prejudicando, por exemplo, a navegação e a geração de energia elétrica. Em geral, o controle destas macrófitas é feito por via mecânica, no qual, máquinas e homens as cortam e retiram do reservatório elevando o custo operacional das usinas e consequentemente o custo de geração da energia elétrica. Outro tipo de controle é o químico através da aplicação de herbicidas, o que pode afetar indiretamente outros organismos aquáticos, como peixes, que poderiam ficar contaminados ou mesmo reduzir a qualidade da água. Assim, o entendimento de um controle biótico do crescimento de certas espécies de macrófitas pode trazer uma opção menos custosa e mais ambientalmente correta que os já existentes.

Os autores observaram que a erva-de-bicho realmente prejudica o crescimento da erva de jacaré, principalmente quando a quantidade de nutrientes no substrato é alta. No caso de lugares com baixa quantidade de nutrientes, as plantas crescem pouco e a densidade de uma não afeta a outra. Isto significa que, apesar de podermos usar uma espécie como controladora da outra, o mais importante seria reduzir a quantidade de nutrientes no substrato e, neste caso, reduzir a poluição orgânica, provinda de esgotos domésticos, que atinge a lagoa ou reservatório.

Leia mais

VICENTE, A.J.S., et al. Efeito da densidade de Polygonum ferrugineum Weed. (Polygonaceae) e da concentração de nutrientes no sedimento sobre estabelecimento de Alternanthera philoxeroides (Mart.) Griseb. (Amaranthaceae). Acta Limnológica Brasiliensia [online]. 2022, vol. 34, e6 [viewed 4 May 2022]. https://doi.org/10.1590/S2179-975X6821. Available from: https://www.scielo.br/j/alb/a/cNjrZxTGHk3y5Hd4NdsHGCL/

Link(s)

Ronaldo Angelini – Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6592-5424

Ronaldo Angelini – Twitter https://twitter.com/RonAngelini

Acta Limnologica Brasiliensia – Twitter: https://twitter.com/limnologica

Acta Limnologica Brasiliensia – ALB: https://www.scielo.br/j/alb/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ANGELINI, R. Meritocracia em plantas é comprovada em ambientes aquáticos [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/05/05/meritocracia-em-plantas-e-comprovada-em-ambientes-aquaticos/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Post Navigation