Trinta anos esta noite… mas a lista de invertebrados não está completa

Ronaldo Angelini, Editor Associado da Acta Limnologica Brasiliensia, Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Logo do periódico Acta Limnologica Brasiliensia

Um trabalho recentemente publicado na Acta Limnologica Brasiliensia, intitulado A importância de planícies de inundação: três décadas de programa de monitoramento de macroinvertebrados aquáticos em uma planície de inundação Neotropical, mostra os 30 anos de pesquisa sobre pequenos animais, chamados pelos cientistas de macro-invertebrados, que vivem na Planície de Inundação do Rio Paraná, uma área que vai desde o reservatório de Porto Primavera (SP) até o reservatório de Itaipu (PR).

Os autores deste artigo são da Universidade Estadual de Maringá (UEM-PR) e, através, de uma extensa pesquisa bibliográfica, encontraram, entre 1990 e 2020, 92 artigos que descrevem mais de 500 espécies de macro-invertebrados que ocorrem nos mais variados habitats da Planície de Inundação do Rio Paraná, mas especialmente no fundo lodoso ou em regiões com concentrações de plantas aquáticas. Através de uma análise estatística eles estimaram que muitas outras espécies podem ser encontradas, desde que a pesquisa continue.

Os macro-invertebrados são uma fonte permanente e muito importante de alimentos para aves e peixes. Outro papel ecológico relevante dos macro-invertebrados é o fato que eles remexem o fundo lodoso, liberando nutrientes para a água e facilitando o crescimento de algas e plantas aquáticas.

Uma efeméride pousada em uma planta.

Imagem: Erik Karits.

Figura 1. Detalhe de uma efeméride (Ephemeroptera). Efemérides da família Baetidae são encontradas na região do estudo.

O grande mérito do trabalho publicado na ALB é mostrar que para se estudar a fundo um grupo de animais, frequentemente negligenciado e pouco conhecido, é necessário tempo, dedicação, continuidade e profissionais qualificados em taxonomia de invertebrados, isto é, em pesquisadores capazes de diferenciar as espécies uma das outras. Infelizmente esta área é pouco valorizada na pesquisa biológica em geral, e carece de profissionais especialmente em se tratando de um grupo de animais pequenos e sem o “carisma” de aves e mamíferos.

A despeito dos problemas é esperado que estes seres deixem de ser desconhecidos do grande público, especialmente com o financiamento de projetos de pesquisa de longa duração.

Para ler o artigo, acesse

BERTONCIN, A.P.S., et al. On the significance of wetlands: Three decades of aquatic macroinvertebrate monitoring programs in a Neotropical floodplain. Acta Limnol. Bras. [online]. 2022, vol. 34, e10 [viewed 18 July 2022]. https://doi.org/10.1590/S2179-975X4721. Available from: https://www.scielo.br/j/alb/a/QZbDcJY8CVqWSGHzykLdrsH/?lang=en

Links externos

Ronaldo Angelini – Orcid: https://orcid.org/0000-0001-6592-5424

Ronaldo Angelini – Twitter https://twitter.com/RonAngelini

Acta Limnologica Brasiliensia – Twitter: https://twitter.com/limnologica

Acta Limnologica Brasiliensia – ALB: https://www.scielo.br/j/alb/

Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura: https://www.nupelia.uem.br/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ANGELINI, R. Trinta anos esta noite… mas a lista de invertebrados não está completa [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/07/18/trinta-anos-esta-noite-mas-a-lista-de-invertebrados-nao-esta-completa/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation