Produção orgânica: mercado justo mostra-se mais sustentável na produção de cacau

Silvia Pimentel Marconi Germer, Editora adjunta do Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, SP, Brasil.

Fabiana Sabadini Rezende Niglio, Coordenadora de Comunicação do Brazilian Journal of Food Technology, Campinas, SP, Brasil.

Logo do periódico Brazilian Journal of Food TechnologyO cultivo do cacau é limitado a poucas regiões no mundo. O estado do Pará, de clima quente e úmido, é um exemplo, sendo responsável nas últimas décadas pelo aumento da produção brasileira, com alta produtividade. O país é o sétimo produtor mundial de cacau, e o quinto processador de seus derivados, tais como licor e manteiga, empregados na indústria de chocolate. Entretanto, os impactos ambientais de atividades agrícolas, como a cacauicultura, vêm sendo questionados, e possibilidades de mitigações, avaliadas.

Nesse contexto, a parceria entre a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), de Campinas, SP, teve por objetivo calcular a Pegada de Carbono do cultivo e do beneficiamento do cacau nas regiões Transamazônica e Xingu, no estado do Pará. Parte dos resultados foram apresentados no artigo Carbon footprint of Brazilian cocoa produced in Pará state, publicado no volume 25 do Brazilian Journal of Food Technology.

No estudo, fazendas que empregam os cultivos orgânicos, convencional e orgânico-mercado justo (fairtrade) foram analisadas usando a metodologia do protocolo Green House Gas (CHG Protocol, 2016). As emissões de gases de efeito estufa foram determinadas nas etapas de colheita, fermentação e secagem, com enfoque no impacto das mudanças climáticas.

Os resultados mostraram que a produtividade das culturas variou entre 600 e 1.250 kg/ha, próxima dos valores reportados na Colômbia (671 a 1000 kg/ha), e superior aos obtidos em Gana e Costa de Marfim (456 e 214 kg/ha). A Pegada de Carbono (carbon footprint) média determinada nas fazendas avaliadas foi de aproximadamente 10.500 kg CO2 eq/t, considerando o cálculo da degradação da casca do cacau segundo o IPCC (2006). Segundo estudos, no processo produtivo do chocolate, a produção das matérias primas é a maior responsável pela emissão de gases de efeito estufa, entre 67% e 81% do total (Konstantas et al., 2018).

O estudo mostrou que as fazendas que empregam o processo convencional utilizam herbicidas, inseticidas e fertilizantes, embora em quantidades baixas em comparação a outras culturas. No entanto, os fertilizantes à base de nitrogênio contribuem para a emissão de N2O, considerado um dos principais impactos ambientais da cultura do cacau. Os resultados mostraram que, quando empregada a compostagem das cascas do cacau e o posterior uso como fertilizantes, há redução de 75% da Pegada de Carbono devido à redução da emissão de metano. A prática, portanto, é uma alternativa ambientalmente interessante na cultura convencional.

Árvores de cacau com troncos médios, folhas verdes ovais e largas, frutos verdes pendurados pelo tronco. As árvores estão levemente distantes umas das outras, e o solo está coberto por folhas marrons.

Imagem: Guilherme de Castilho Queiroz.

Figura 1. Árvore de cacau.

A produção orgânica, por sua vez, que emprega apenas fertilizantes orgânicos, tem uma pegada de carbono consideravelmente menor, de aproximadamente 2.000 kg CO2 eq/t, comprovando ser uma prática agrícola mais sustentável na produção de cacau. Entretanto, apesar dos resultados favoráveis, o estudo aponta que os produtores do Pará têm enfrentado dificuldades para o escoamento do cacau orgânico. O mercado absorve apenas 45% da produção, e o restante é comercializado como produto convencional, a preços menores. A certificação orgânica-mercado justo, por sua vez, devido ao maior interesse do mercado internacional, tem apresentado resultados melhores, com vendas de 71% da produção.

Segundo os pesquisadores, há ainda a possibilidade de venda de créditos de carbono por parte dos produtores, uma vez que o cultivo do cacau, cujo ciclo é de 40 anos, fixa o carbono no solo. A indústria de chocolate, por sua vez, poderia incrementar as vendas, atribuindo alegações ambientais aos seus produtos, atingindo mercados mais exigentes e revertendo maior renda aos produtores.

O estudo, portanto, mostrou que a metodologia de avaliação empregada, referência na determinação do impacto ambiental, permitiu um maior conhecimento sobre as práticas agrícolas da produção do cacau com relação ao lançamento de gases de efeito estufa na atmosfera. Os resultados beneficiam a cadeia produtiva do chocolate auxiliando na tomada de ações pela busca de maiores sustentabilidades ambientais, sociais e econômicas.

Referências

GHG Protocol. Nota Técnica: equação para cálculo das emissões de N2O provenientes do uso de fertilizante nitrogenado sintético – versão 1.0. São Paulo: FGV EAESP, 2016 [viewed 2 September 2022]. Available from: http://mediadrawer.gvces.com.br/ghg/original/ghg-protocol_nota-tecnica_equacao_fertilizante_sintetico_v1.pdf

KONSTANTAS, A., et al. Environmental impacts of chocolate production and consumption in the UK. Food Research International [online]. 2018, vol. 106, pp. 1012-1025 [viewed 2 September 2022]. http://dx.doi.org/10.1016/j.foodres.2018.02.042. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0963996918301273?via%3Dihub

RIITA, P. and SVARDAL, P. Solid waste disposal. In Intergovernmental Panel on Climate Change – IPCC (Org.), 2006 IPCC Guidelines for National Greenhouse Gas Inventories (Vol. 5, Chap. 3, 40 p.). Geneva: IPCC, 2006 [viewed 2 September 2022]. Available from: https://www.ipcc-nggip.iges.or.jp/public/2006gl/pdf/5_Volume5/V5_3_Ch3_SWDS.pdf

Para ler o artigo, acesse

HERNANDES, G.M.C., et al. Carbon footprint of Brazilian cocoa produced in Pará state. Braz. J. Food Technol. [online]. 2022, vol. 25, e2020263 [viewed 2 September 2022]. https://doi.org/10.1590/1981-6723.26320. Available from: https://www.scielo.br/j/bjft/a/r6y3gf8nqVDSFRSLp7BMcMH/

Links externos

Brazilian Journal of Food Technology: http://bjft.ital.sp.gov.br/

Brazilian Journal of Food Technology – redes sociais: Facebook | Twitter

Brazilian Journal of Food Technology – BJFT: https://www.scielo.br/bjft/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

GERMER, S.P.M. and NIGLIO, F.S.R. Produção orgânica: mercado justo mostra-se mais sustentável na produção de cacau [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/09/02/producao-organica-mercado-justo-mostra-se-mais-sustentavel-na-producao-de-cacau/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation