Como uma ligação telefônica pode reduzir níveis de ansiedade de pacientes oncológicos?

Por Bruna Stamm, Enfermeira, Mestra em Enfermagem, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil

No cenário internacional o telefone apresenta-se como recurso para o manejo da ansiedade de pacientes oncológicos em tratamento (KIM, et al., 2013; WHATSON, et al., 2013), mas no Brasil não havia sido identificado pesquisas direcionadas para este tema na época da realização do estudo.

O artigo “Intervenção telefônica para manejo da ansiedade de pacientes oncológicos: ensaio clínico randomizado”, publicado na Acta Paulista de Enfermagem (vol. 31, no. 2), avaliou a eficácia de uma intervenção telefônica aplicada por enfermeira na diminuição dos níveis de ansiedade de pacientes em tratamento radioterápico, e apresenta o uso do telefone como ferramenta para o cuidado integral e possibilidade de avanço para a assistência de enfermagem.

Um ensaio clínico randomizado foi desenvolvido em um ambulatório de radioterapia com seguimento de 15 dias. A amostra foi composta por 39 pacientes em tratamento radioterápico (20 no Grupo Intervenção e 19 no Grupo Controle). Durante o período de tratamento radioterápico, uma enfermeira treinada realizou duas ligações telefônicas para grupos de pacientes, no 7º e 15º dias, com informações específicas e objetivas sobre o tratamento, porém com conteúdos diferentes dependendo do grupo. No Grupo Controle as ligações tiveram duração de aproximadamente três minutos, na qual era confirmada a data do próximo atendimento no ambulatório e orientado quanto à ingesta hídrica; e no Grupo Intervenção a duração das ligações era de 15 minutos, quando foram fornecidas informações sobre o tratamento e disponibilizado espaço de escuta a dúvidas.

Os níveis de ansiedade apresentados pelos pacientes, entre o momento inicial do tratamento radioterápico (pré-intervenção) e seu momento final (pós-intervenção), mostraram diferença estatisticamente significativa no Grupo Intervenção (p<0,027) quando comparados ao Grupo Controle.

No Brasil 31% dos pacientes que iniciam o tratamento oncológico apresentam ansiedade (BRYANT, et al., 2015). O sofrimento psicossocial dos pacientes oncológicos, essencialmente a ansiedade, pode ser minimizado quando são fornecidas informações precisas, atualizadas e personalizadas sobre a doença e suas causas, as opções de tratamento, procedimentos e efeitos colaterais da terapia (AGARWAL, et al., 2016).

Nessa perspectiva, o uso do telefone, no presente estudo, reduziu os níveis de ansiedade de pacientes durante o tratamento radioterápico, e a intervenção telefônica apresentou-se como um recurso que amplia o limite de ação da equipe de saúde, em especial da enfermeira, no que concerne à assistência das necessidades que surgem em cada momento no decorrer do tratamento, como é o caso do alívio da ansiedade.

A pesquisa obteve financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq.

Referências

AGARWAL, S., et al. Guidelines for reporting of health interventions using mobile phones: mobile health (mHealth) evidence reporting and assessment (mERA) checklist. BMJ [online]. 2016, vol. 17, no. 352, i1174, eISSN: 2044-6055 [viewed 26 July 2018]. DOI: 10.1136/bmj.i1174. Available from: https://www.bmj.com/content/352/bmj.i1174

BRYANT, J., et al. Protocol of a multi-centre randomised controlled trial of a web-based information intervention with nurse-delivered telephone support for haematological cancer patients and their support persons. BMC Cancer [online]. 2015, vol. 15, no. 1, pp. 295, ISSN: 1471-2407 [viewed 26 July 2018]. DOI: 10.1186/s12885-015-1314-x. Available from: https://bmccancer.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12885-015-1314-x

KIM, H.S., et al. Randomized controlled trial of standardized education and telemonitoring for pain in outpatients with advanced solid tumors. Support Care Cancer [online]. 2013, vol. 21, no. 6, pp. 1751-1759, ISSN: 0941-4355 [viewed 26 July 2018]. DOI: 10.1007/s00520-013-1722-x. Available from: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00520-013-1722-x

WATSON, M., et al. Problem-focussed interactive telephone therapy for cancer patients: a phase II feasibility trial. Psychooncology [online]. 2012, vol. 22, no. 7, pp. 1485-1491, ISSN: 1057-9249 [viewed 26 July 2018]. DOI: 10.1002/pon.3194. Available from: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/pon.3194

Para ler o artigo, acesse

STAMM, B., et al. Intervenção telefônica para manejo da ansiedade de pacientes oncológicos: ensaio clínico randomizado. Acta paul. enferm. [online]. 2018, vol. 31, no. 2, pp. 137-143, ISSN: 0103-2100 [viewed 26 July 2018]. DOI: 10.1590/1982-0194201800021. Available from: http://ref.scielo.org/43qp8w

Link externo

Acta Paulista de Enfermagem – APE: <http://www.scielo.br/ape>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

STAMM, B. Como uma ligação telefônica pode reduzir níveis de ansiedade de pacientes oncológicos? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2018 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2018/07/26/como-uma-ligacao-telefonica-pode-reduzir-niveis-de-ansiedade-de-pacientes-oncologicos/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation