Uberização do trabalho e as perspectivas durante e após a pandemia da COVID-19

Por Júlio César Lopardo Alves e Tarsila Baptista Ponce, Membros da equipe editorial da Revista Brasileira de Saúde Ocupacional e  Analistas em Ciência e Tecnologia da Fundacentro, São Paulo, SP, Brasil

O ensaio “Saúde do trabalhador e o aprofundamento da uberização do trabalho em tempos de pandemia”, publicado pela Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (vol. 45), discute perspectivas e tendências colocadas para o mundo do trabalho no Brasil e na América Latina. A referência à Uber para definir o fenômeno se explica pela força e o tamanho da empresa (ABÍLIO, 2019). De acordo com Uchôa-de-Oliveira, a uberização do trabalho “articula o novo e o antigo na gestão da polimorfia do trabalho” (p. 3). A autora relaciona o “novo” ao uso de tecnologias de ponta na gestão de mão de obra, já o “antigo” se afirma como manutenção da informalidade e de relações de trabalho precárias, presentes especialmente nas sociedades latino-americanas. O ensaio cita dados publicados em pesquisa realizada pelo jornal O Estado de São Paulo em 2019. No Brasil quase 4 milhões de trabalhadores autônomos usavam plataformas digitais como fonte de renda, somadas, as plataformas empregavam 35 vezes mais funcionários que os Correios, que é a maior empresa estatal brasileira em número de funcionários (GAVRAS, 2019). A uberização do trabalho é um tema candente. Por um lado, os serviços prestados por trabalhadores de plataformas são essenciais em tempos de pandemia porque contribuem para a manutenção do distanciamento social; por outro lado, à medida que aumenta o desemprego, mais trabalhadores recorrem às plataformas digitais para terem alguma renda, o que tende a aprofundar o fenômeno. Neste contexto, trabalhadores de plataformas digitais começam a se organizar e lutar por direitos e garantias trabalhistas em vários países, no Brasil aconteceram mobilizações conhecidas como “breque dos apps” (GUERREIRO; CORDEIRO, 2020).

Imagem: prostooleh.

A autora, Flávia Manuella Uchôa-de-Oliveira, teve como referencial teórico a psicologia social do trabalho e aprofundou a análise utilizando a noção de polimorfia do trabalho (SATO, 2017). Flávia concluiu doutorado em 2020, com a tese “Somos todos empreendedores? A demanda empreendedora como dispositivo de governo neoliberal”, apresentada ao Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

O ensaio apresenta e comenta algumas disputas judiciais relacionadas ao trabalho vinculado às plataformas digitais no Brasil e em outros países. À medida que os processos de trabalho se transformam, se altera o padrão dos acidentes e adoecimentos relacionados ao trabalho (SELIGMANN-SILVA et al., 2010). Devido à escassez de informações e ao sigilo mantido pelas plataformas digitais, o ensaio sugere que os pesquisadores do campo da Saúde do Trabalhador identifiquem e registrem os impactos psicossociais do trabalho uberizado, contribuindo, dessa forma, na defesa da saúde dos trabalhadores vinculados a plataformas digitais.

Referências

ABÍLIO, L.C. Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Psicoperspectivas [online]. 2019, vol. 18, no. 3, pp. 41-51, ISSN: 0717-7798 [viewed 14 August 2020]. DOI: 10.5027/psicoperspectivasvol18-issue3-fulltext-1674. Available from: https://www.psicoperspectivas.cl/index.php/psicoperspectivas/article/view/1674

GAVRAS, D. Aplicativos como Uber e iFood são fonte de renda de quase 4 milhões de autônomos [online]. O Estado de S.Paulo 2019 [viewed 14 August 2020]. Available from: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,aplicativos-como-uber-e-ifood-sao-fonte-de-renda-de-quase-4-milhoes-de-autonomos,70002807079#:~:text=Com%20o%20desempenho%20t%C3%ADmido%20da,plataformas%20como%20fonte%20de%20renda

GUERREIRO, I. and CORDEIRO, L. Do passe ao breque: disputas sobre os fluxos no espaço urbano [online]. PassaPalavra, 2020 [viewed 14 August 2020]. Available from: https://passapalavra.info/2020/07/132898/

SATO, L. Diferentes faces do trabalho no contexto urbano. In: COUTINHO, M.C.; BERNARDO, M.H. and SATO, L. (Org.). Psicologia social do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2017. pp. 151-174.

SELIGMANN-SILVA, E., et al. Saúde do Trabalhador no início do século XXI. Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2010, vol. 35, no. 122, pp. 185-186, ISSN: 0303-7657 [viewed 14 August 2020]. DOI: 10.1590/S0303-76572010000200001. Available from: http://ref.scielo.org/4zq4sw

UCHÔA-DE-OLIVEIRA, F.M. Somos todos empreendedores? A demanda empreendedora como dispositivo de governo neoliberal. 2020. 295 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social e do Traballho) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020. Available from: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-09072020-161211/publico/uchoadeoliveira_do.pdf

Para ler o artigo, acesse

UCHÔA-DE-OLIVEIRA, F.M. Saúde do trabalhador e o aprofundamento da uberização do trabalho em tempos de pandemia. Rev. bras. saúde ocup. [online]. 2020, vol. 45, e22, ISSN: 2317-6369 [viewed 14 August 2020]. DOI: 10.1590/2317-6369000012520. Available from: http://ref.scielo.org/tvcfj8

Link externo

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional <http://www.fundacentro.gov.br/rbso/inicio>

Revista Brasileira de Saúde Ocupacional – RBSO <http://www.scielo.br/rbso>

Twitter – Revista Brasileira de Saúde Ocupacional <https://twitter.com/RBSOinforma>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ALVES, J.C.L. and PONCE, T.B. Uberização do trabalho e as perspectivas durante e após a pandemia da COVID-19 [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2020 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2020/08/14/uberizacao-do-trabalho-e-as-perspectivas-durante-e-apos-a-pandemia-da-covid-19/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation