Você vai acreditar em mim ou nos seus próprios olhos?

Ronaldo Angelini, Editor Associado da Acta Limnologica Brasiliensia, Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Logo do periódico Acta Limnologica Brasiliensia

O estudo As pessoas podem detectar a perda de qualidade da água? Um experimento de campo para avaliar a correlação entre a percepção visual e o grau de eutrofização da água, realizado por pesquisadores da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Anápolis, publicado na Acta Limnologica Brasiliensia, mostra que, independentemente do grau de escolaridade, as pessoas são capazes de distinguir a qualidade da água.

Usando seis caixas d´água, cada uma com quantidade de algas diferentes, os pesquisadores fizeram diversas perguntas a 100 pessoas com respeito as águas de cada caixa d´água. Eles também enviaram fotos destes tanques e perguntas pela internet, recebendo as respostas de mais 87 internautas.

Fotografias dos seis mesocosmos utilizados no experimento. O primeiro mostra água de melhor qualidade (límpida) e o último a água de pior qualidade (mais turva).

Imagem: João Carlos Nabout.

Figura 1. Mesocosmos utiilizados para avaliar a percepção visual da qualidade da água. As mesmas fotos foram usadas no experimento com fotos.

Independente se vistas por fotos ou pessoalmente, as pessoas sabem diferenciar a água mais limpa e que serve para a recreação de águas de pior qualidade. Nem a idade, o sexo e o grau de escolaridade, influenciam nesta percepção. Aliás, nem mesmo o fato da pessoa visitar regularmente um rio ou lago, modifica a percepção dela em relação a qualidade da água, e mais especificamente a eutrofização, o grande crescimento de algas que foi o que os pesquisadores provocaram em algumas das caixas d´água.

Este trabalho é valioso, pois é baseado nos fundamentos da pesquisa-cidadã cujo objetivo é promover a conexão entre os cientistas e o público que, com mais percepção de mudanças ambientais pode colaborar em programas de monitoramento e, se for o caso, alertar as autoridades competentes quando perceber mudanças indesejadas na água ou em outro indicador ambiental. Os pesquisadores pretendem estender a pesquisa para outros índices ecológicos como invasão de espécies exóticas e perda de biodiversidade (por exemplo, redução do número de pássaros avistados ao longo do dia).

Neste caso de trabalho científico, o público mais do que aplaudir, também merece aplausos já que é parte integrante do procedimento científico.

Para ler o artigo, acesse

NABOUT, J.C., et al. Can people detect the loss of water quality? A field experiment to evaluate the correlation between visual perception and water eutrophication degree. Acta Limnol. Bras. [online]. 2022, vol. 34, e8 [viewed 29 July 2022]. https://doi.org/10.1590/S2179-975X2921. Available from: https://www.scielo.br/j/alb/a/wTpLJ6QNDWSDh5XsrMzdDZy/?lang=en

Links externos

João Carlos Nabout – ResearchGate: https://www.researchgate.net/profile/Joao-Nabout

Acta Limnologica Brasiliensia – Twitter: https://twitter.com/limnologica

Acta Limnologica Brasiliensia – ALB: https://www.scielo.br/j/alb/

Núcleo de Pesquisas em Limnologia, Ictiologia e Aquicultura: https://www.nupelia.uem.br/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

ANGELINI, R. Você vai acreditar em mim ou nos seus próprios olhos? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/07/29/voce-vai-acreditar-em-mim-ou-nos-seus-proprios-olhos/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation