Author: Maria Helena Cruz Pistori

O corpo no discurso da contemporaneidade

Print do Twitter. Texto diz "tem coisa melhor que homem gordinho???" e três emojis com olhos de coração. Foto do corpo de um homem branco sem camiseta. No fundo pessoas conversando em roda.

O contexto recente que vivemos, em que se destaca a polarização social, política e religiosa, permite e atualiza diferentes e conflitantes discursos sobre o corpo. Dois importantes artigos propõem uma reflexão e um debate aprofundado sobre esse amplo tema. Read More →

Os discursos sobre os excluídos: de quem é o espaço público?

Um prédio de paredes brancas, uma grade de metal verde, barracas de pessoas em situação de rua e uma árvore na frente.

Quem fala pela população em situação de rua das grandes cidades? Há as políticas públicas voltadas para essa população de excluídos, há os posicionamentos dos diferentes cidadãos em relação ao problema, e há ainda as posições jurídico-administrativas da municipalidade. Faz-se uma análise da cobertura polêmica da Folha de S Paulo sobre esta população. Read More →

Vozes em conflito: o falar e o calar

Capa do livro Retrato Calado de Luiz Roberto Salinas Fortes da Editora Unesp

Falar ou calar pode ser uma escolha? Diante da multiplicidade de vozes faladas e caladas em nosso mundo, a “experiência da linguagem” num período de repressão política, tal como mostrada na obra Retrato calado, de Salinas Fortes, é o ponto de partida para refletir acerca dos limites entre o dever de falar/escrever e o testemunho. Read More →

Ciência Aberta: compartilhamento e transparência na pesquisa e sua divulgação

O conceito de “ciência aberta” tem circulado bastante na área acadêmica, mas nem sempre bem aceito ou compreendido. Seria o livre acesso a artigos científicos? Uma ciência democrática, para todos? Ao aderir aos procedimentos da ciência aberta, Bakhtiniana destaca as novas possibilidades de diálogo entre ciência e sociedade. Read More →

As ciências da linguagem e os discursos sobre a pandemia: a questão da ética

O difícil momento pandêmico que estamos vivendo demanda uma postura ética de cada cidadão, posição defendida por Bakhtiniana (16.4), em “Pandemia, ética e discursos”. A busca e reconhecimento dessas variadas posturas eticamente responsáveis podem ser comprovadas nos artigos do número, que analisam os variados discursos em circulação no período e os valores por eles propalados. Read More →

O que nos dizem os discursos da dança?

Nos tempos difíceis que estamos vivendo, vídeos de arte e, entre eles, da arte da dança, podem nos oferecer momentos ímpares de beleza. Neles, a dança espetáculo expressa-se de inúmeras formas, do balé à street dance. Como apreciá-las? É possível compreender a linguagem dos diferentes gêneros e dar-lhes sentido? Read More →

A verdade do “bilete” e nosso mundo da pós-verdade

Como lidar com as questões de verdade e pós-verdade? Quando o debate em torno da “verdade” se torna tão frequente em nosso cotidiano, cresce a importância dos estudos discursivos, essenciais para a reflexão e compreensão dos modos como a realidade se expressa verbal e visualmente. Read More →

Discurso científico e retórica: A origem das espécies

Que relação poderia haver entre o discurso científico — que se quer lógico e verdadeiro — e a retórica, arte da persuasão? É essa questão que podemos observar em estudo que analisa o discurso de Charles Darwin em “A origem das espécies”, a partir de elementos retóricos. Read More →

Quem sou eu para o outro? Quem é o outro para mim?

Possíveis respostas discursivas a essas importantes indagações sobre identidade e alteridade encontram-se neste primeiro número de 2019 do periódico Bakhtiniana (v. 14). E, nos sete artigos e duas resenhas que compõem o volume, essas questões se entrelaçam a discursos contemporâneos que, entre outros temas, levam o leitor a refletir sobre pobreza-violência, discursos de resistência da mulher, possibilidades do discurso literário em termos de plágio, originalidade, intertextualidade. Read More →

A presença do intérprete de língua de sinais na escola garante a inclusão social da criança surda?

Qual deveria ser a formação do tradutor-intérprete de LIBRAS? Seria suficiente para a tradução de uma conferência? De uma peça teatral? Ou de uma consulta médica? A presença do tradutor-intérprete garante a inclusão do cidadão surdo nessas e em outras diferentes situações sociais? Bakhtiniana apresenta e debate essas importantes questões da contemporaneidade. Read More →