Category: Alm

Independências e conflitos bélicos: a cultura de guerra na formação dos estados ibero-americanos

Banderín el Doliente de Hidalgo, Museo Nacional de Historia, Castillo de Chapultepec

A importância histórica da guerra nos processos de reformulação territorial e da crise das monarquias ibéricas na América e da formação dos Estados nacionais são elementos fundamentais para a compreensão de uma cultura de guerra. O caso mexicano se torna observatório privilegiado para a análise dos múltiplos impactos dos conflitos nas sociedades ibero-americanas. Read More →

A independência do Méxicocidadania

Um quadro com muitos elementos da história mexicana dispostos como uma colagem. No topo um arco branco, abaixo figuras humanas, algumas parecem ser operárias, outros usam ternos, figuras reais, mais trabalhadores com chapéus de tom amarelado (talvez sejam trabalhadores rurais) de costas, membros da igreja.

O segundo momento constitucional que se desenvolveu na monarquia espanhola a partir de 1820 impactou a configuração do México como Estado independente no chamado Triênio Liberal. Dentro da lógica do liberalismo gaditano, a participação dos mexicanos nas Cortes de Madri e a reconfiguração política com os ayuntamientos possibilitaram a transformação do México de vice-reinado a estado-nação. Read More →

O papel das cidadãs na Independência do Brasil: novas perspectivas e abordagens para pensarmos o papel das mulheres no Bicentenário da Independência

Retrato antigo de uma mulher branca, olhar neutro, pequenos cachos ao redor da testa, cabelos escuros e presos. Moldura branca com parte inferior mais larga. Ela usa um vestido com rendas na gola em formato de V e colar de pérolas.

A Profa. Dra. Slemian foi convidada para falar um pouco sobre o papel de cidadãos e cidadãs na cena pública da independência, com especial ênfase no papel das mulheres, pensando aspectos mais amplos de sua produção acerca do constitucionalismo e formação do Estado-nacional. Read More →

Notas sobre as guerras de independência do Brasil e a formação do Estado e da nação

Revista das tropas brasileiras destinadas a combater os rebeldes em Montevidéu. Óleo sobre papel colado sobre tela (41,6 x 62,95 cm) de Jean-Baptiste Debret. Domínio público, Pinacoteca de São Paulo

O surgimento de conflitos militares envolvendo diferentes pontos de vista políticos marcou o processo de separação política entre Brasil e Portugal. As guerras de independência mostram que esse processo foi um processo violento e que a história do Brasil jamais foi um paraíso de estabilidade, jamais esteve isenta de conflitos e guerras. Read More →

Garcia de Abranches e a experiência constitucional maranhense: debates, impressos e expectativas durante o vintismo

Mapa antigo da província do Maranhão. Página amarelada e regiões do território coloridas nos tons amarelo, azul, verde, rosa. No canto superior esquerdo, o título do mapa.

A experiência constitucional desencadeada pela Revolução do Porto teve diferentes recepções em Portugal. No reino americano, o liberalismo foi multifacetado com disputas entre a região Norte e Centro-Sul. O artigo examina o periódico maranhense o Espelho, buscando compreender as visões do redator, a narrativa e a recepção do periódico, sempre em diálogo com outros jornais do Maranhão, Lisboa e os debates das Cortes. Read More →

O movimento peticionário português: parlamentarização da vida política e participação do corpo social

Tinta a óleo. Uma sala com pé direito alto, muitos homens reunidos em uma reunião. Eles são brancos, têm cabelo escuro ou grisalho e usam roupas formais de época. Eles parecem exaltados com a discussão. Na sala tem lustres, cadeiras, cortinas e detalhes no teto que remontam um período antigo. No centro da sala três homens estão sentados atrás de uma mesa.

Importante instrumento para o debate político, o recurso peticionário ganhou projeção e fomentou o debate público durante a Revolução Liberal do Porto. As Cortes de Lisboa receberam um incontável número de representações que, embora fosse um instrumento do Antigo Regime, contribuiu para a difusão do ideário liberal em Portugal e para ampliação da participação popular na vida política. Read More →

Para além de um “acordo entre as elites”: as guerras de independência e a emancipação política do Brasil

Imagem de uma pintura a óleo onde pessoas estão presas dentro de um calabouço

A independência do Brasil e a manutenção territorial do Império do Brasil não pode ser explicada através de um “acordo entre as elites”. O que a emancipação política e os projetos em curso demonstraram são interesses heterogêneos, tanto de província para província quanto no interior de cada uma delas. Read More →

A Revista Almanack no Bicentenário das independências: Brasil e América Ibérica

Logo especial do periódico Almanack em homenagem ao bicentenário da independência

A Revista Almanack dá destaque ao ano do bicentenário da Independência do Brasil (1822-2022). Lembramos que nesta década, outros cinco estados latino-americanos comemoram suas independências e apresentaremos debates sobre histórias conectadas por temáticas comuns à construção dos Estados nacionais na Ibero-América como as guerras, as constituições territoriais e institucionais. Read More →

O Centro da Lavoura e Comércio cafeeiro: contradições de um país escravagista nas grandes exposições internacionais

Enunciando a entrada do Império do Brasil nas grandes feiras internacionais, o texto evidencia a tentativa de construir uma imagem positiva do país em relação às demais nações do mundo e simultaneamente a resistência dos cafeicultores em abolir a escravidão. Além disso, mostra como os membros do Centro da lavoura e do comércio se aproveitaram das fragilidades do Estado para que pudessem assumir a representação do Brasil nas exposições internacionais. Read More →

A cultura visual na representação das independências

Óleo sobre tela. Símon Bolívar do lado direito com traje militar, cor vermelha e preto, bigode e barba. Olhar sereno. Figura feminina do lado esquerdo, roupa cinza e laranja, com chapéu. Rosto tranquilo. Fundo escuro.

O estudo dos registros visuais e audiovisuais no estudo das independências nas Américas é o objeto do último dossiê lançado pela Revista Almanack. Nele, as autoras buscam, através da cultura visual, fornecer elementos para o estudo das independências através da imagética que contribuiu para a sedimentalização de imaginários, exercícios de poder e hierarquizações sociais. Read More →