Pesquisa monitora níveis de resíduos do herbicida glifosato

Ana Paula Ferreira de Souza, pesquisadora da Divisão Química Analítica/CPQBA, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, São Paulo, Brasil. 

Maria Luiza De Grandi, jornalista da revista Ciência Rural. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

Nadia Regina Rodrigues, pesquisadora da Divisão Química Analítica/CPQBA, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, São Paulo, Brasil. 

Iniciada em 1996, a cultura de alimentos geneticamente modificados é uma tendência global. Esses produtos, derivados da biotecnologia, somaram 2,3 bilhões de hectares em área cumulativa plantada no mundo e no período entre 1996 e 2016, as safras geneticamente modificadas foram implementadas por mais de 18 milhões de agricultores. Dados mostram que em 2017, 24 países plantaram safras geneticamente modificadas, dos quais 19 são países emergentes. No mesmo ano, as safras cultivadas geneticamente modificadas no mundo cresceram 3% e somaram aproximadamente 190 milhões de hectares (ISAAA, 2017). Dentro desse contexto, é comum o uso de herbicidas como o glifosato, pois é capaz de controlar uma grande diversidade de ervas daninhas, no entanto, seu manejo pode acarretar a ocorrência de resíduos.

Pesquisadores da Crop Sciences Division da Bayer, em parceria com a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) desenvolveram um estudo com o objetivo de monitorar  os níveis de resíduos de glifosato e seu principal metabólito após diferentes manejos. O artigo “Resíduos de glifosato e ácido aminometilfosfônico (AMPA) em culturas de soja, milho e algodão geneticamente modificados tolerantes ao glifosato” foi publicado no periódico Ciência Rural (vol. 51, nº 1).

Para a pesquisa, foram realizadas amostragens de grãos de soja e milho e de sementes de algodão em áreas comerciais nas safras de 2012/2013 a 2017/2018, em diferentes regiões agrícolas brasileiras. Os níveis de resíduos de glifosato em milho geneticamente modificado em comparação ao não modificado, variaram desde não detectados (ND) a até 0,15 mg kg-1. Na soja geneticamente modificada em comparação a não modificada, variaram de ND a 2,81 mg kg-1 e em algodão geneticamente modificada em comparação a não modificada os resultados se estabeleceram entre ND a 1,78 mg kg-1.

Imagem: Pixabay.

De acordo com a pesquisadora da UNICAMP que integrou o time de desenvolvimento da pesquisa, Dra. Nadia Rodrigues, esses resultados corroboram outros resultados de estudos realizados para fins de registro de formulações a serem utilizadas sobre culturas geneticamente modificadas. “Os resultados confirmam que a avaliação da agência regulatória é criteriosa no sentido de liberar formulações com um perfil de segurança para aplicadores e consumidores e estabelecer LMRs (limites máximos de resíduos) não apenas seguros, mas também realistas.”, explica.

A pesquisa também contribui dando suporte científico às discussões acerca da segurança do herbicida glifosato como, por exemplo, a reavaliação do glifosato na ANVISA.  “Esses resultados demonstram que, nas áreas comerciais, o que se encontra é aquilo esperado a partir dos estudos científicos, ou seja, que os resíduos do herbicida estão dentro do estabelecido pela ANVISA.”, enfatiza Dra. Rodrigues. De acordo com a pesquisadora, os resultados na prática dão maior robustez à segurança desse produto no uso sobre culturas geneticamente modificadas que serão consumidas por humanos e animais, e também para o meio ambiente, uma vez que o perfil do herbicida se mantém o mesmo.

Referências

Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops: 2017 [online]. ISAAA. 2017 [viewed 16 June 2021]. Available from: https://www.isaaa.org/resources/publications/briefs/53/download/isaaa-brief-53-2017.pdf

Para ler o artigo, acesse

RODRIGUES, N. R., et al. Resíduos de glifosato eácido aminometilfosfônico (AMPA) em culturas de soja, milho e algodão geneticamente modificados tolerantes ao glifosato. Ciência Rural [online]. 2021, vol. 51, no.01 [viewed 16 June 2021]. https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20190244. Available from: http://ref.scielo.org/m6g8cm

Links externos

Ciência Rural – CR: https://www.scielo.br/cr

Ciência Rural: http://coral.ufsm.br/ccr/cienciarural/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

GRANDI, M. L., SOUZA, A. P. F. and RODRIGUES, N. R. Pesquisa monitora níveis de resíduos do herbicida glifosato [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2021 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2021/06/16/pesquisa-monitora-niveis-de-residuos-do-herbicida-glifosato/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation