Telemedicina pelo WhatsApp otimiza terapia de reperfusão e reduz morte de pacientes com infarto agudo do miocárdio

Deborah Rezende, Dehlicom – Soluções em Comunicação Empresarial, Assessoria da Sociedade Brasileira de Cardiologia, São Paulo, SP, Brasil.

Logo do periódico Arquivos Brasileiros de CardiologiaAs doenças cardiovasculares são a principal causa de mortalidade mundial, inclusive no Brasil. O infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST (IAMCSST) é o responsável por grande parte dos eventos fatais dessa etiologia. Nas últimas décadas, houve importante redução na morbimortalidade do IAMCSST, principalmente com o desenvolvimento das terapias de reperfusão (fibrinolíticos e angioplastia primária).

Mas para obtenção deste benefício, é necessário o reconhecimento precoce deste evento coronariano, o qual usualmente se baseia na anamnese e no eletrocardiograma (ECG) de urgência, para que seja possível a organização rápida do direcionamento desses pacientes para centros terciários preparados para oferecer esta modalidade de terapia. O artigo Otimização da Terapia de Reperfusão no Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST por Meio de Telemedicina Baseada no WhatsApp® traz que a rede de telemedicina por este tipo de comunicação eletrônica contribuiu para aumentar o números de pacientes com IAMCSST que receberam terapia de reperfusão e reduzir a mortalidade intra-hospitalar.

O registro brasileiro de síndromes coronarianas agudas evidenciou que apenas 61,2% dos pacientes com IAMCSST receberam alguma terapia de reperfusão para o tratamento (35,9% recebendo angioplastia primária e 25,3% terapia fibrinolítica). Isso mostra que uma grande porcentagem de pacientes em nosso país, principalmente os dos serviços públicos, ainda não recebe terapia em tempo hábil, fato que impacta diretamente na sobrevida, no comprometimento funcional do ventrículo esquerdo desses pacientes e na consequente insuficiência cardíaca de muitos casos de IAMCSST.

O objetivo dessa investigação foi avaliar se a implantação de uma rede de telemedicina para envio do ECG de pacientes com suspeita de supradesnível do segmento ST pelo WhatsApp® para análise imediata em um centro terciário ocasionaria aumento na porcentagem de pacientes que receberia a terapia de reperfusão dentro das 12 horas iniciais do IAMCSST. Também se avaliou o impacto da organização do fluxo de liberação imediata para transferência hospitalar do paciente suspeito dessa patologia fazendo uso do WhatsApp, na mortalidade intra-hospitalar acarretada por esse evento coronariano.

O documento explica que o estudo transversal do tipo antes e depois englobou os 25 municípios integrantes do Departamento Regional de Saúde de Ribeirão Preto (DRS-XIII), menos a cidade Ribeirão Preto, por já apresentar maior facilidade de encaminhamento desses pacientes para um hospital terciário.

Fluxograma

Imagem: autores.

Figura 1. Fluxograma de orientação do funcionamento de rede de telemedicina baseada no WhatsApp® para envio de eletrocardiograma (ECG) suspeito de infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST (IAMCSST) e organização do fluxo de transferência deste paciente para o hospital terciário.

CRM: Conselho Regional de Medicina; UE-HC-FMRP: Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto; CROSS: Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo.

Foi feita a comparação da porcentagem de pacientes que receberam a terapia de reperfusão dentro do período de 12 horas para o tratamento do IAMCSST antes e depois da implantação da Rede Supra – na qual foi realizado o envio e análise a distância do ECG em suspeitos dessa patologia e o encaminhamento do paciente para um centro terciário de cardiologia. A investigação mostrou que houve aumento significativo da proporção de pacientes que receberam terapia de reperfusão, diminuição do tempo para implementação desta terapia e expressiva redução da taxa de mortalidade intra-hospitalar.

O texto de autoria principal de Alessandra Batista Teixeira explica ainda que, no estudo observacional não randomizado realizado de 1º de fevereiro de 2018 a 31 de janeiro de 2020, foram avaliados os ECG de 1.847 pacientes enviados por meio dessa rede. Suspeitou-se da ocorrência de IAMCSST em 280 (15%) desses exames, o qual foi confirmado em 196 pacientes (11%) após avaliação clínica e repetição do ECG no cenário intra-hospitalar.

O tempo entre o recebimento do ECG e o envio da resposta foi inferior a 10 minutos na grande maioria dos casos. Após a implantação da Rede Supra, observou-se um aumento estatisticamente significativo da proporção de pacientes que receberam terapia de reperfusão para o tratamento agudo do IAMCSST, 49/82 (60,00%) e a significativa redução 11/82 (13,40%) na taxa de mortalidade intra-hospitalar dos pacientes com IAMCSST.

O estudo também reforça que com a telemedicina é possível o envio imediato do ECG para uma central de análises, permitindo que este exame seja interpretado por cardiologista experiente e, assim, otimize-se a transferência dos pacientes que realmente devem ser encaminhados aos centros terciários. Por exemplo, na presente casuística, o IAMCSST foi suspeitado somente em 15% de todos os ECG enviados pela rede; dessa maneira, otimizou-se o recurso existente para a transferência rápida e o tratamento efetivo deste grupo de pacientes. Além disso, antes da implantação da Rede Supra, o diagnóstico dessa enfermidade não se confirmava em muitos pacientes já encaminhados, e isso acabava sobrecarregando o sistema de saúde e dificultando o encaminhamento dos que realmente precisavam ser transferidos.

O documento publicado nos Arquivos Brasileiro de Cardiologia (ABC Cardiol), em janeiro de 2022, conclui que os resultados corroboram com os de recente revisão sistemática e metanálise que incluíram 16.960 pacientes. Os resultados evidenciaram o impacto positivo da telemedicina baseada em plataforma de comunicação acessível como o WhatsApp® para envio e análise do ECG e para organização do fluxo de encaminhamento do paciente com suspeita de IAMCSST, com redução da taxa de mortalidade intra-hospitalar a partir da combinação do tratamento precoce associado à ampliação da angioplastia primária como principal terapia de tratamento desses pacientes.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão e seguiu as recomendações da declaração de Helsinki.

Para ler o artigo, acesse

TEIXEIRA, A.B. Otimização da Terapia de Reperfusão no Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST por Meio de Telemedicina Baseada no WhatsApp®. Arquivos Brasileiros de Cardiologia [online]. 2022, vol. 118, no 3, pp. 556-564 [viewed 27 May 2022]. https://doi.org/10.36660/abc.20201243. Available from: https://www.scielo.br/j/abc/a/3HdnVTVG7PFNN5hts3qHFJR/

Link(s)

Otimização da Terapia de Reperfusão no Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST por Meio de Telemedicina Baseada no WhatsApp®: https://abccardiol.org/article/otimizacao-da-terapia-de-reperfusao-no-infarto-agudo-do-miocardio-com-supradesnivel-do-segmento-st-por-meio-de-telemedicina-baseada-no-whatsapp/

Arquivos Brasileiros de Cardiologia – ABC: https://www.scielo.br/j/abc/

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

REZENDE, D. Telemedicina pelo WhatsApp otimiza terapia de reperfusão e reduz morte de pacientes com infarto agudo do miocárdio [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2022 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2022/05/30/telemedicina-pelo-whatsapp-otimiza-terapia-de-reperfusao-e-reduz-morte-de-pacientes-com-infarto-agudo-do-miocardio/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation