Tempo de tela (televisão, videogame, celular, computador) e padrão alimentar influenciam a obesidade em adolescentes?

Por Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos, Professor do Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil e Maria Gabriela Matias de Pinho, atualmente bolsista no exterior do CNPq, realiza doutorado no Departamento de Epidemiologia e Bioestatística da VU University Medical Center, Amsterdam, Holanda.

Pesquisa realizada pelo Programa de Pós-graduação em Nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina, publicada no volume 30, número 3, da Revista de Nutrição, intitulada “Associação entre tempo de tela e padrões alimentares com sobrepeso/obesidade em adolescentes”, verificou que 29,8% dos adolescentes de 11 a 14 anos de idade na cidade de Florianópolis apresentavam sobrepeso/obesidade (medido pelo índice de massa corporal), sendo que os meninos mostraram taxa estatisticamente maior (34,7%) (PINHO et al., 2017). O percentual de escolares com atividade sedentária (medida pelo tempo de tela – mais de duas horas três vezes ou mais por semana de videogame, televisão, celular e/ou computador) foi de 39,1%. Foram identificadas cinco modalidades de padrões alimentares: “Padrão obesogênico”, “Padrão café e produtos lácteos”, “Padrão refeição tradicional”, Padrão frutas e legumes” e “Padrão pão e achocolatado”. O “padrão obesogênico” foi o que melhor representou o consumo alimentar dos escolares. Houve influência dos padrões alimentares sobre o sobrepeso/obesidade, no entanto, em alguns casos, de maneira contrária ao esperado. Associaram-se inversamente com o sobrepeso/obesidade: “padrão obesogênico” (ambos os sexos), “padrão café e produtos lácteos” e o “padrão pão e achocolatado” (nas meninas).

A pesquisa fez parte de projeto financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), avaliou amostra probabilística de 963 adolescentes de 30 escolas públicas e particulares de Florianópolis, sendo os dados coletados entre setembro de 2012 a julho de 2013 (D’AVILA; SILVA; VASCONCELOS, 2016). Este artigo foi originado da dissertação de mestrado de Maria Gabriela Matias de Pinho, sob a orientação do professor Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos, a qual foi desenhada procurando responder as questões: Como estão se alimentando e quão sedentários são os adolescentes de Florianópolis? O padrão de consumo alimentar e de atividade sedentária está associado ao sobrepeso/obesidade dos adolescentes? Além de realizar exames antropométricos (peso, estatura, perímetros e dobras cutâneas), foram coletados dados de consumo alimentar, atividade física, maturação sexual, socioeconômicos e demográficos, a partir da aplicação de questionários autopreenchidos pelos escolares e seus pais.

A obesidade na infância e adolescência tem grande chance de permanecer durante a vida adulta, podendo trazer diversas consequências para a saúde (MAHER, et al., 2012; PINHO, et al., 2014). Portanto, tais resultados podem orientar políticas públicas de saúde e nutrição, visando a reduzir as taxas de obesidade e promover estilos de vida mais saudáveis.

Referências

D’AVILA, G. L., SILVA, D. A. S. and VASCONCELOS, F. A. G. Associação entre consumo alimentar, atividade física, fatores socioeconômicos e percentual de gordura corporal em escolares. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2016, vol. 21, no. 4, pp. 1071-1081 [viewed 11 August 2017]. DOI: 10.1590/1413-81232015214.13722015. Available from: http://ref.scielo.org/v7n3qr

MAHER, C., et al. Screen time is more strongly associated than physical activity with overweight and obesity in 9- to 16-year-old Australians. Acta Paediatr. [online]. 2012, vol. 101, no. 11, pp. 1170-1174 [viewed 11 August 2017]. DOI: 10.1111/j.1651-2227.2012.02804. Available from: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22849438

PINHO, L., et al. Identification of dietary patterns of adolescents attending public schools. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2014, vol. 90, no. 3, pp. 267-272 [viewed 11 August 2017]. DOI: 10.1016/j.jped.2013.04.006. Available from: http://ref.scielo.org/2xqfrg

Para ler o artigo, acesse

PINHO, M. G. M., et al. Associação entre tempo de tela e padrões alimentares com sobrepeso/obesidade em adolescentes. Rev. Nutr. [online]. 2017, vol. 30, no. 3, pp. 377-389 [viewed 11 August 2017]. DOI: 10.1590/1678-98652017000300010. Available from: http://ref.scielo.org/8snzsj

Link externo

Revista de Nutrição – RN: <http://www.scielo.br/rn>

 

Como citar este post [ISO 690/2010]:

VASCONCELOS, F. A. G. and PINHO, M. G. M. Tempo de tela (televisão, videogame, celular, computador) e padrão alimentar influenciam a obesidade em adolescentes? [online]. SciELO em Perspectiva | Press Releases, 2017 [viewed ]. Available from: https://pressreleases.scielo.org/blog/2017/08/22/tempo-de-tela-televisao-videogame-celular-computador-e-padrao-alimentar-influenciam-a-obesidade-em-adolescentes/

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Post Navigation