Tag: História

Coleções: protagonismo indígena e curadoria compartilhada

No contexto de museus há várias formas de considerar o tratamento das coleções, que se constituem documentos de memória de povos, tradições, culturas. Uma responsabilidade institucional envolve o trabalho de curadores e estudiosos já que o patrimônio sob a guarda de museus no mundo inteiro são também fonte de pesquisa e, por conseguinte, formação de novos profissionais, pesquisadores em áreas como as que atua o Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém. Read More →

Memórias, modos de vida e vestígios de atividade humana

Estudar populações do passado a partir da análise dos vestígios materiais resultantes da atividade humana é o trabalho da arqueologia. No Pará, algumas culturas são bastante conhecidas como a Marajoara (Ilha do Marajó), a Tapajônica (Santarém) e a Konduri (bacia do Rio Trombetas). Read More →

O papel do Boletim de Humanas do Museu Paraense Emílio Goeldi na qualificação acadêmica contínua

Muitas fases marcam a trajetória do periódico até os dias atuais em sua versão Ciências Humanas. Aqui se apresentam depoimentos de ex-editores e as contribuições que cada um proporcionou ao Boletim e mais importante: eles discutem a importância da publicação diante de seu lugar de produção e do papel que desempenha para discutir questões que se configuram regionais, mas que tem impacto nacional e internacional. E vão além ao indicar a necessidade de periódicos da natureza do Boletim e sua contribuição para a formação acadêmica e para o desenvolvimento de uma capacidade crítica essencial para o fazer ciência. Read More →

Intelectuais, mediação cultural e vulgarização da ciência

Varia Historia traz em seu número 66 o dossiê “Imprensa e mediadores culturais: ciência, história e literatura”, organizado por Ângela Maria de Castro Gomes, Kaori Kodama e Maria Rachel Froés da Fonseca. Os artigos que compõem o dossiê abordam a atuação de diversos intelectuais que se valeram da imprensa para difundir projetos e ideias, além de popularizar o conhecimento científico. Read More →

O Decolonial na pesquisa em artes no Brasil

A discussão apresentada pela Revista Brasileira de Estudos da Presença (v. 8, n. 4) representa um avanço considerável para o campo no Brasil e no exterior. A abordagem decolonial em pesquisa é uma perspectiva emergente e os artigos apresentados falam entre outras coisas sobre novas metodologias, críticas aos entraves coloniais e análises de performances. Read More →

A Grande Aceleração: o sonho desenvolvimentista e a apropriação dos recursos naturais brasileiros

O segundo dossiê Varia História do ano de 2018 apresenta, sob o ponto de vista de diferentes historiadores, uma análise sobre a Grande Aceleração brasileira, fenômeno ocorrido no Brasil a partir da primeira metade do século XX e caracterizado pelo grande desenvolvimento industrial no país. Esse processo abriu as portas para a exploração econômica dos bens naturais brasileiros, contribuindo para uma vasta degradação ambiental. Read More →

Machado de Assis em Linha completa 10 anos com dossiê “Machado de Assis e a História”

As relações entre Machado de Assis e a História são centrais em seis artigos que integram o número 23 da MAEL. Nesses estudos, pesquisadores tratam da crônica, teatro, tradução e conto machadianos, produzidos na segunda metade do século XX, visando a compreender, em obras artisticamente autônomas, como se articulam questões estéticas, sociais e políticas. Read More →

História, Ciências, Saúde – Manguinhos apresenta temas variados em seu segundo número de 2018

Treze artigos inéditos são os destaques da edição do periódico História, Ciências, Saúde – Manguinhos. O número 2 do volume 25 de 2018 do periódico científico da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) traz na seção “Análise” temas variados, que vão desde a experiência com arte na Colônia Juliano Moreira e as epidemias no México e nos Andes no século XVI até a discussão sobre polícia política e os impactos socioambientais da estrada Bragança-Ajuruteua, no Pará. Read More →

O feminino em movimento: as viagens de Nísia Floresta e a busca por liberdade de gênero

A trajetória de Nísia Augusta Floresta (1810-1885) como escritora e viajante é tema do artigo publicado pela historiadora Ludmila de Souza Maia no número 64 de Varia Historia. A autora, ao analisar relatos de viagem produzidos por Nísia Floresta entre 1856 e 1872, mostra como a viagem foi uma experiência libertadora, capaz de relativizar as rígidas normas de gênero e de moralidade vigentes na sociedade burguesa e patriarcal do século XIX. Read More →

Vendedores ambulantes em Singapura: de problema a símbolo da identidade do país

A história dos vendedores ambulantes em Singapura é um retrato das mudanças ocorridas no país ao longo das últimas décadas. Antes vistos como um problema de saúde pública, com ações de regulamentação e investimentos na organização, esses vendedores se tornaram um símbolo da identidade do país. Símbolo que atualmente se encontra ameaçado de desaparecimento pela falta de renovação da força de trabalho. Read More →